sábado, 15 de julho de 2017

Angola - POESIA & PALOP's - 'ANTOLOGIA DA POESIA NEGRA DE EXPRESSÃO PORTUGUESA', de Mário de Andrade - Paris 1959 - MUITO RARO




Angola & PALOP's - Recolha de poesia de expressão portuguesa das ex-colónias africanas


'ANTOLOGIA DA POESIA NEGRA DE EXPRESSÃO PORTUGUESA'
De Mário Pinto de Andrade
Edição Pierre Jean Oswald
Paris 1959


Livro com 108 páginas e em bim estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


MÁRIO PINTO DE ANDRADE (1928 - 1990):
Ensaísta e ativista político angolano, Mário Coelho Pinto de Andrade nasceu a 21 de agosto de 1928, no Golungo Alto (Angola).
Em 1930 foi para Luanda, onde fez os estudos primários no Seminário de Luanda e concluiu, em 1948, os estudos secundários no Colégio das Beiras. Partiu para Lisboa, nesse mesmo ano, para estudar Filologia Clássica na Faculdade de Letras de Lisboa. Juntamente com outros estudantes e intelectuais de países africanos lusófonos, como Agostinho Neto, Amílcar Cabral e Francisco José Tenreiro, criou o Centro de Estudos Africanos, em 1951, com o objetivo de refletir sobre problemáticas importantes de África.
Em 1954, António de Andrade partiu para o exílio em Paris, onde conheceu outros círculos africanos, relacionando-se com Leopold Senghor, Nélson Mandela, entre outros. Foi chefe de redação, entre 1951 e 1958, da conceituada revista Présence Africaine e, em 1956, participou no 1.º Congresso de Escritores e Artistas Negros, tendo, três anos mais tarde, tomado parte no 2.º Congresso, em Roma.
Na década de 60, tornou-se ativista político e exerceu o cargo de Presidente do MPLA, entre 1959 e 1962 e o de Secretário-Geral desse movimento, entre 1962 e 1972.
Dedicou-se, no entanto, aos estudos de sociologia e à atividade de diversas publicações antológicas e de obras literárias.
Assim, publicou:
- 'Poesia Negra de Expressão Portuguesa', em colaboração com Francisco Tenreiro, Lisboa 1953;
- 'Antologia da Poesia Negra de Expressão Portuguesa' (1958);
- 'Literatura Africana de Expressão Portugesa', Alger, 2 vol., (1967 - 1968);
- 'La Poésie Africaine d'Expression Portugaise' (1969):
- 'Antologia Temática da Poesia Africana (Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné, Angola, Moçambique)', Lisboa, 2 vol. (1976 - 1979);
- 'Amilcar Cabral - Essai de Biographie Politique'(1980);
- 'As origens do Nacionalismo Africano'(1997), entre muitos outros.
Por ser considerado um dos mais importantes ensaístas angolanos do século XX e tendo sido o primeiro africano de língua portuguesa a elaborar textos críticos e estético-doutrinários sobre a poesia africana lusófona, o Ministério da Cultura de Angola decidiu criar o Prémio de Ensaio Literário Mário Pinto de Andrade.
Em 1990, Mário de Andrade faleceu em Londres.


Preço: 75,00€

Angola & Ultramar - Conjunto de postais de MALANGE - Período colonial - Anos 20 - MUITO RARO



Angola & Colonialismo - Um magnífico conjunto de testemunhos das populações angolanas e um documento histórico


Conjunto de postais de MALANGE - Período colonial - Anos 20.
Com fotografias de populações indígenas e de colonos.

Em muito bom estado de conservação.

De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Preço: 75,00€;

Portugal & política - Colecção de 25 calendários 'ÁLVARO CUNHAL - Desenhos da Prisão' - MUITO RARO



Portugal & política - Um conjunto de reproduções de obras plásticas do ex-líder do Partido Comunista, Álvaro Cunhal


Colecção de 25 calendários 'ÁLVARO CUNHAL - Desenhos da Prisão'.
Em estado excepcional de conservação. Colecção completa, de 25 exemplares.

Com a respectiva caixa de recolha.
Edição do Organismo dos Gráficos do PCP. Ano de 1990.


De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Preço: 30,00€;

terça-feira, 11 de julho de 2017

Cabo Verde & Literatura - Lote de 2 livros de Manuel Ferreira - MUITO RAROS


Cabo Verde & Literatura - A melhor e mais autêntica cultura e sentimento social caboverdiano pela escrita deste consagrado autor


Lote de 2 livros de Manuel Ferreira - MUITO RAROS
Exemplares da mais importante literatura caboverdiana do período colonial pré-independência.


LOTE COMPLETO:
1. - 'TERRA TRAZIDA' - 1.ª Edição
De Manuel Ferreira
Plátano Editora
Lisboa 1972


Livro com 224 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Da contra-capa:
"Está de facto passada a fase patética e retórica das literaturas africanas: Calliban apropriou-se da língua de Prospero e tentou falar mais claro do que este. Como diz Janheinz Jahn, 'a actual geração (...) tem oportunidades de beber numa multidão de tradições', mas deve fazê-lo. como fez Manuel Ferreira, com o grande sopro criador dos verdadeiros eleitos."
Fernando Assis Pacheco


Do ÍNDICE:
- Puchinho
- Bélinha foi ao baile pela primeira vez
- Dia domingo em casa de amigos
- O cargueiro tornou ao Porto
- Antonieta
- Filipe, cabeça de peixe
- D. Ester, chá das cinco
- Amarito
- Uma flor entre os cardos
- Nhô Vicente, conte a história toda
- Os Mandongues de Pujinho Sema
- A visita de nha Joana
- Quando as chuvas não voltam mais
- Nha dos Ramos
- A raiva de nhô João




2. - 'HORA DI BAI'
De Manuel Ferreira
Capa de Criner y Dintel
Plátano Editora
Lisboa 1972


Livro com 268 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Da contra-capa:
"HORA DI BAI - A linguagem despojada servindo a narrativa pelo caminho mais curto: exploração inteligente dos valores evocativos e poéticos: aliciante e sábio aproveitamento da fácies dialectal característica de Cabo Verde: profunda humanidade no toque das figuras, mesmo daquelas capazes de suscitar o ódio: ausência de panfletarismo e intervenção do autor: fuga cautelosa ao libelo primário: equilíbrio e contenção."
Fernando Assis Pacheco


MANUEL FERREIRA:
Nasceu em Gândara dos Olivais – Leiria em 1917. Concluiu o curso de Farmácia e o curso de Ciências Sociais e Política Ultramarina, tendo frequentado ainda a Faculdade de Letras de Lisboa.
De 1941 a 1947 destacado como expedicionário em Cabo Verde, ali casa e lhe nasce o filho mais velho. Nestes seis anos convive com o grupo da revista Claridade e exerce decisiva influência no aparecimento do grupo Certeza.
Entretanto permanece seis anos na Índia e dois anos em Angola.
Colaboração dispersa pela Revista Vértice, Seara Nova, 'Cultura e Arte' d’'O Comércio do Porto', Página Literária do 'Diário de Lisboa, Revista de Portugal, 'Ocidente', 'Estudos Ultramarinos', 'Colóquio/Letras', 'Província de Angola', e outros.
Foram-lhe atribuídos os prémios Fernando Mendes Pinto para 'Morabeza', Ricardo Malheiros para 'Hora di Bai', Imprensa Cultural para 'A aventura crioula'.
Esta longa experiência ultramarina vai ser decisiva na sua carreira de escritor e explicar a predominância da motivação africana na sua actividade literário, traduzida não só na ficção como no ensino, na literatura infantil, e em artigos, colóquios, etc.

Fonte:
http://livroditera.blogspot.pt/2006/11/hora-di-bai.html


Preço: 90,00€ (Lote completo)

Portugal & Ultramar - 'RAZÕES DA PRESENÇA DE PORTUGAL NO ULTRAMAR', de Marcelo Caetano - Lisboa 1973 - RARO



Portugal & Ultramar - As principais e mais significativas intervenções de Marcelo Caetano sobre a política ultramarina


'RAZÕES DA PRESENÇA DE PORTUGAL NO ULTRAMAR'
De Marcelo Caetano
Oficinas Gráficas S.E.I.T.
Lisboa 1973


Livro com 102 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO.


O pensamento e estratégia política do então Presidente do Conselho, Prof. Dr. Marcelo Caetano sobre a defesa das ex-províncias do Ultramar, expressas em múltiplas intervenções públicas nas suas funções.

Esta obra constitui hoje um documento histórico e muito completo sobre a política ultramarina desenvolvida pelo governo português nas décadas de sessenta e setenta e lideradas pelo seu chefe de governo.


Do ÍNDICE:
- SÓ HÁ UMA RESPOSTA

- Alguém teria de arcar com as dificuldades...
- Temos de fazer face a tarefas inadiáveis
- O Ocidente é um Bloco
- A importância fundamental do Ultramar
- A posição de Portugal não poderia ser outra
- Sociedade multiraciais
- Não declarámos guerra a ninguém
- Haverá quem duvide?
- A importância estratégica de Cabo Verde
- Somos sinceramente amantes da Paz
- A Rodésia e a Grã-Bretanha
- Um clima de liberdade exige responsabilidade
- Em África limitamo-nos a defender a vida dos portugueses
- Somos um só povo, formando uma só Nação, com um Governo único
- Oferecemos a Paz...
- Temos de conquistar a Paz
- Portugal está aberto a todos os seus filhos
- Fidelidade à Pátria comum
- A terra há-de florescer
- Pátria
- Angola tem um futuro radioso na sua frente
- Só a união faz a força
- Não vacilemos na decisão
- Não há lugar para guerras injustas
- Não podemos hesitar contra o abandono e atraição
- Só existe subversão próximo das fronteiras
- Não se pode ceder
- A defesa do Ultramar não afrouxará
- Entrega a quem?
- Portugal não pode ceder
- O país manifestou a sua vontade
- Não estamos a sustentar uma 'guerra colonial'
- Não estamos em guerra com ninguém
- O futuro tem de ser construído de mãos dadas, por pretos e brancos
- Cabora Bassa
- Não usurpámos as terras a ninguém
- É Portugal quem tem razão
- A defesa do Ultramar dura há dez anos
- Ignoram que as províncias ultramarinas são Portugal há 500 anos?
- Não vejo como poderemos deixar de defender o ultramar
- Porque temos de defender o Ultramar
- Palavras loucas, orelhas moucas
- Conspiração contra Portugal
- Revisão constitucional
- Não pode haver dívidas
- Ofensiva contra o mundo Ocidental
- Não há frente nem retaguarda
- O que se deve entender por 'autonomia' das províncias ultramarinas
- Todos desejamos a Paz
- Imperialistas nós?
- Em África não dominamos nações nem oprimimos as culturas
- Dentro do país o inimigo encontra apoios
- Enquanto defendemos o Ultramar
- O problema das transferências
- O progresso das províncias ultramarinas é galopante
- A consciência do que é, do que representa, do que vale o Ultramar
- As terras que hoje formam o Ultramar português, já não poderão mais deixar de ser lusíadas
- Insistindo na defesa do ultramar
- ser desertor é um ferrete de ignomia
- Se em 1822 existisse a ONU, o que teria sido do Brasil ?
- Os equívocos da ONU
- A Mocidade Portuguesa espalhou sempre o sentido de missão nacional no ultramar
- Glória, pois, aos que lutam !
- Somos um país pluricontinental e pluriracial, com um só espírito, um só governo, uma só bandeira
- Fazemos apelo a todos os africanos
- Os territórios das províncias ultramarinas estão em Paz
- As forças militares não fazem a guerra: asseguram a Paz
- Angola, Moçambique e a Guiné, são províncias de Portugal
- A negociação equivaleria a capitulação
- Não podemos abandonar as terras portuguesas do Ultramar
- Um largo regionalismo de profunda inspiração federal
- Apesar do terrorismo...
- Choram-se lágrimas de crocodilo
- Desfazendo atordoadas
- Ninguém pode esperar de nós a entrega das terras portuguesas do Ultramar
- Nós venceremos
- Continuaremos a lutar pelo progresso em Paz
- Os caminhos do futuro no ultramar
- Está em marcha a autonomia
- A Paz não resulta do abandono
- O absurdo das negociações com os terroristas
- A lição das negociações dos belgas
- Poderiam as Nações unidas dar garantias de respeito dos acordos negociados ?
- A Paz é possível: e é uma realidade
- Quem perturba a Paz?
- Penso em todos os que labutam no ultramar...
- Não renunciaremos !



Preço: 25,00€;

Angola & Guerra Colonial - 'COMPANHIA DE CAVALARIA 626 - ANGOLA 1964-1966' - Chamusca 1966 - MUITO RARO



Angola - Um documento histórico dos militares portugueses na guerra colonial nesta antiga colónia portuguesa


'COMPANHIA DE CAVALARIA 626 - ANGOLA 1964-1966'
Alf. Jorge FreitasVieira, Cap. Cav. Carlos Morais e 2º Sarg. Manuel Lopes Rosa
Chamusca 1966


Livro com 44 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Uma monografia das actividades militares desenvolvidas pela Cª de Cavalaria 626 no conflito colonial nesta antifa colónia portuguesa entre os anos de 1964 e 1966.


Preço: 0,00€(Indisponível)

Angola & Eleições - 'MUDAR - Programa e Estatutos' - Manuel dos Santos Lima - Luanda 1991 - RARO




Angola & Eleições - Um documento histórico de um movimento político fundado pelo 1.º comandante dos guerrilheiros do MPLA


'MUDAR (Movimento de Unidade Democrática Angolana para a Reconstrução) Programa e Estatutos'
Manuel dos Santos Lima
Luanda 1991


Livro com 72 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO.


O autor, foi o primeiro oficial negro e angolano do exército português que foi mobilizado a guerra colonial na antiga colónia de Angola que acabou por desertar e viria a ser o primeiro comandante dos guerrilheiros do MPLA no EPLA (Exército Popular de Libertação de Angola), antecessor das FAPLA.

Anos mais tarde entrou em conflito com a direcção de Agostinho Neto e retirou-se para se formar como professor catedrático e leccionou no Canadá, França e após 25 de Abril de 1974, em Portugal. Em 1991 fundou o MUDAR com vista a concorrer às primeiras eleições gerais em Angola, realizadas em 1992.

Do ÍNDICE:
PROGRAMA

I PARTE
VALORES E OPÇÕES FUNDAMENTAIS

II PARTE
DEMOCRACIA POLÍTICA E ESTRUTURA DA ORDEM DEMOCRÁTICA
1. - A Democracia Política
2. - Os Direitos Fundamentais
3. - As Instituições Políticas e o Estado
4. - As Instituições Judiciárias
5. - Administração Pública
6. - Administração Local
7. - Comunicação Social
8. - Política de Paz e de Defesa
9. - Política Externa

III PARTE
DEMOCRACIA SOCIAL E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL
1. - Política Social ao serviço de todos os angolanos
2. - Família
3. - A Mulher
4. - Juventude
5. - O Trabalho, o emprego e o salário
6. - Os Sindicatos
7. - Êxodo
8. - A Política Educativa e Cultural
9. - Política Social e da Saúde
10. - Segurança Social
11. - A Política Criminal
12. - Política de Habitação e Urbanismo
13. - A Qualidade de Vida e o Meio Ambiente

IV PARTE
DEMOCRACIA ECONÓMICA E PROGRESSO
1. - Uma Política Económica ao serviço do povo angolano

A - ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARÁCTER GLOBAL
2. - Propriedade dos meios de produção
3. - A Propriedade no âmbito do sector público
4. - Planificação democrática
5. - Repartição democrática
6. - Empresa
7. - Cooperativismo
8. - Pequenas e médias empresas

B - ASPECTOS SECTORIAIS
- INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTO SOCIAL



Preço: 0,00€; (Indisponível)

Ultramar & Colonialismo - 'PROVÍNCIA DE MOÇAMBIQUE - Síntese Monográfica de Moçambique' - Lisboa 1971 - Muito Raro



Moçambique - Um monografia muito completa desta antiga colónia portuguesa da África oriental


'PROVÍNCIA DE MOÇAMBIQUE - Síntese Monográfica de Moçambique'
Edição da AGU (Agência-Geral do ultramar)
Lisboa 1971


Livro com 128 páginas, muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito Raro.


Preço: €27,50.

domingo, 9 de julho de 2017

Ultramar (Angola & Moçambique) - Lote de 6 livros de Rodrigues Júnior - Muito Raros



Ultramar (Angola & Moçambique) - Um conjunto de livros deste consagrado escritor do período colonial de grande raridade


Lote de 6 livros de Rodrigues Júnior.
De muito difícil localização.
MUITO RAROS

1. - 'DO HOMEM NEGRO - Da sua vida e da sua obra'
Edição PAX - Braga 1974

2. - 'OMAR ÁLI'
Edições Literal - Queluz 1977

3. - 'ALGUNS POETAS DE MOÇAMBIQUE'
Editora PAX - Braga 1972

4. - 'O HOMEM NEGRO - Das regiões ao sul do Save'
Atlântida editora - Coimbra 1969

5. - 'ANGOLA - TERRA DE PORTUGAL'
África Editora - Lourenço Marques 1964

6. - 'MÃE NEGRA (Estudo)'
Atlântida Editora - Coimbra 1967



LOTE COMPLETO - 6 Livros de Rodrigues Júnior
1. - 'DO HOMEM NEGRO - Da sua vida e da sua obra'
(50,00€)
De Rodrigues Júnior
Edição PAX
Braga 1974

Livro com 182 páginas e em muito bom estado de conservação.

O autor, com vasta obra bibliográfica dedicada a Moçambique, antiga colónia ultramarina portuguesa na África oriental, dedica este estudo à vida social e cultura do homem negro.

Uma obra muito requisitada e talvez uma das melhores sobre a temática


2. - 'OMAR ÁLI' (27,50€)
De Rodrigues Júnior
Edições Literal
Queluz 1977

Livro com 182 páginas e em muito bom estado de conservação.

Da contra-capa:
"Rodrigues Júnior - Moçambique em figura de gente: viva legenda desta Província no que ela detém de mais são."
Rodrigo Emílio

"Muitas das melhores páginas da nossa novelística e da nossa reportagem, destes últimos trinta anos, por exemplo, saíram das suas infatigáveis mãos."
Guedes de Amorim

3. - 'ALGUNS POETAS DE MOÇAMBIQUE' (37,50€)
De Rodrigues Júnior
Editora PAX
Braga 1972

Livro com 50 páginas e em excelente estado de conservação.

Uma obra polémica de contestação sobre os critérios usados para a inclusão de autores em antologias poéticas ultramarinas. Muito procurado, mas de muito difícil localização face à reduzida edição.


4. - 'O HOMEM NEGRO - Das regiões ao sul do Save' (45,00€;)
De Rodrigues Júnior
Atlântida editora
Coimbra 1969

Livro com 92 páginas e em bom estado de conservação.

A promoção social dos negros do sul desta antiga colónia portuguesa da África oriental, pela análise de um dos melhores conhecedores de Moçambique.

Um livro muito interessante sobre esta temática.

Do ÍNDICE:
Dedicatória

I - Considerações
II - O Lobolo - A Família - O Trabalho
III - Comerciantes Tongas - Comerciantes asiáticos - Opiniões insuspeitas
IV - Factos que pertencem à História
V - Fixação do homem à terra - As cooperativas autóctones
VI - O aproveitamento dos 'machongos' do sul do Save
VII - Ainda os 'machongos' do sul do Save
VIII - Ainda uma vez mais os 'machongos' do sul do Save
IX - Repetir às vezes é necessário
X - Cuidados necessários para a ocupação da terra de 'machongos'
XI - É bom repetir a lição
XII - A obra social do colonato do Limpopo



5. - 'ANGOLA - TERRA DE PORTUGAL' (70,00€)
De Rodrigues Júnior
África Editora
Lourenço Marques 1964

Livro com 352 páginas e em muito bom estado de conservação.

Do ÍNDICE:
Dedicatória

- Palavras necessárias
- 'Havemos de saber merecer os mortos'
- Apontamentos de reportagem
- Primeiras impressões de Luanda
- De onde se fala de algumas riquezas de Angola
- Portugal gastou na Barragem de Cambambe mais de um milhão de contos
- A água é o elemento fertilizador por excelência
- As ruínas da Fortaleza de Cambambe
- N'Dalatando - a nova cidade de Salazar
- Angola - terra de bom trabalho
- Últimas imagens de Malange
- A caminha da terra planáltica do Bié
- A cidade de Silva Porto
- O bom povo de Nova Lisboa
- Huambo - é terra de promissão
- Nova Lisboa - a grande cidade-jardim do planalto
- Nova Lisboa e os seus valores de cultura
- O Distrito do Huambo
- Das abruptas serrarias do Lépi
- O Distrito de Benguela
- A cidade de S. Filipe de Benguela
- Últimas imagens de Benguela
- Os bairros populares do Morro de Quileva
- As maravilhosas terras da Huíla
- Huíla - terra de trabalho
- Os primeiros povoadores do sul de Angola
- A cidade-jardim de Sá da Bandeira
- Sobrevoando a cordilheira da Chela
- O deserto de Namibe
- Os valores de economia do distrito de Moçâmedes
- Porto Alexandre - Terra de pescadores
- O Distrito de Moçâmedes
- Últimas imagens de Moçâmedes
- Terras do Quanza-sul
- Aguarelas de Novo Redondo
- Produções e explorações de Angola
- O Mercado do Quinaxixe
- A diminuição das importações
- Reordenamento rural de Angola
- Cabo Verde e o reordenamento rural de Angola
- O Caracul na economia de Angola
- Porto, Caminhos de Ferro e Transportes
- O turismo de Angola
- O grande progresso de Angola e as realidades de Moçambique



6. - 'MÃE NEGRA (Estudo)' (22,50€)
De Rodrigues Júnior
Atlântida Editora
Coimbra 1967

Livro com 48 páginas e em muito bom estado de conservação.
Com as folhas ainda 'por abrir'.

A dedicação das mães moçambicanas nesta antiga colónia portuguesa da África Oriental, da escrita de uma dos mais consagrados escritores do período colonial, com vasta obra editada.




Preço: 240,00€; (Venda do lote completo)
(Com um valor comercial de 270,00€ em lojas da especialidades)

Nota:
A venda de exemplares avulsos, estará dependente da respectiva disponibilidade.

Ultramar & Poesia - 'ALGUNS POETAS DE MOÇAMBIQUE', de Rodrigues Júnior - Braga 1972 - MUITO RARO



Ultramar & Poesia - As opiniões e fundamentações do autor sobre os critérios usados na inclusão de poetas em antologias ultramarinas


'ALGUNS POETAS DE MOÇAMBIQUE'
De Rodrigues Júnior
Editora PAX
Braga 1972


Livro com 50 páginas e em excelente estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Uma obra polémica de contestação sobre os critérios usados para a inclusão de autores em antologias poéticas ultramarinas. Muito procurado, mas de muito difícil localização face à reduzida edição.


Preço: 37,50€;