sábado, 31 de janeiro de 2015

Guiné & Guerra colonial - 'GUERRA, PAZ E FUZILAMENTOS DOS GUERREIROS (Guiné 1970-1980)', de Manuel Amaro Bernardo - Lisboa 2007 - RARO




Guiné & Guerra colonial - Da guerra colonial à descolonização, de heróis destemidos a traidores fuzilados e sem defesa pelo PAIGC


'GUERRA, PAZ E FUZILAMENTOS DOS GUERREIROS (Guiné 1970-1980)'
De Manuel Amaro Bernardo
Edirora Prefácio
Lisboa 2007


Livro com 402 páginas, muito ilustrado e como novo.
De difícil localização.
RARO


O autor tem uma vasta obra bibliográfica dedicada a temáticas de carácter militar e sobre a guerra colonial, além de inúmeras colaborações em revistas e jornais. Esta obra é dedicada à guerra colonial à Guiné e ao caso das tropas africanas e em particular ao fuzilamento desses militares, alguns deles de patente de oficial e com condecorações de grande valor atribúidas pela estrutura militar e política do regime vigente até 25 de Abril de 1974!

Manuel Amaro Bernardo escalpeliza a história e participação destes homens que foram considerados portugueses e participaram com destaque e heroicidade devidamente reconhecida em muitos combates e resgate de soldados europeus e populações civis, e que após a descolonização foram desmobilizados e deixados abandonados à mercê da 'justiça' do PAIGC que acabou por os fuzilar de forma clandestina e ilegal, porque os mesmos não tiveram direito a acusção nem defesa e nem sequer foi ao abrigo da legislação do novo estado, tendo inclusive provocado divisões internas que ficaram visiveis aquando do golpe militar de Nino Vieira de 14 de Novem de 1980! Foram exibidas ao mundo as suas valas comuns e denunciados os fuzilamentos clandestinos.

As autoridades militares portuguesas e civis de 1974-75 foram responsáveis pelos acontecimentos e até à data o Estado ainda não se pronunciou sobre a matéria, havendo no entanto alguns casos de reconhecimento da nacionalidade e a consequente atribuição da pensão-reforma.

O autor reune inúmera informação, depoimentos, documentos e fotografias de parte destes homens e faz o seu historial, constituindo o livro um documento histórico sobre esta tragédia da descolonização.


Do ÍNDICE:
- PREFÁCIO;
- INTRODUÇÃO (General Ricardo Durão);

I - António de spínola na Guiné;
(A política 'Por um Guiné Melhor'; - Esforço de guerra e grande desilusão; - A despedida às tropas; - ANEXO I - Carta do General António de Spínola ao Prof. Silva Cunha; - ANEXO II - A experiência escolar e sanitária na companhia do Capitão Arnaldo Costeira;)
II - A operação de invasão a Conakry (1970);
(Pessoal condecorado e recuperado; - As consequências da invasão; - O aproveitamento da ONU e da OUA;)
III - 1972 - A última oportunidade perdida;
(As diligências frustradas do General Spínola; - As movimentações na ONU segundo as agências de notícias;)
IV - A morte de Amílcar Cabral;
(A hipótese Barbieri Cardoso; - As consequências da morte de Amílcar Cabral; - Repercussões da morte de Cabral através das agências noticiosas;)
V - Grande esforço de guerra em 1973;
(As dificuldades da Força Aérea; - O Cerco de Guidage; - Operação 'Ametista Real'; - ANEXO I - Efectivos militares e n.º de mortos na Guiné em 1970-1974; - ANEXO II - Relação de 'Comandos' Africanos mortos na Guiné, em 1970-1974; - ANEXO III -Militares ' Comandos' condecorados em combate na Guiné; - ANEXO IV - Teatro de operações da Guiné - Maio-Junho de 1973; - ANEXO V - Situação militar na Guiné em 1974; - ANEXO VI - Mapa da Guiné com as zonas sobe controlo dos contendores; - ANEXO VII - Dispositivo do PAIGC em 1973; - ANEXO VIII - Dispositivo do CT1 da Guiné, em Abril de 1974;)
VI - O Movimento dos Capitães nasce na Guiné;
(Telegrama constestatário ao Congresso dos Combatentes; - A contestação continua;Documento dos oficiais do QP em serviço na Guiné; Bissau, 28 de Agosto de 1973;)
VII - A transição da Guiné-Bissau para a independência;
(A preocupação do PAIGC em relação aos 'Comandos Africanos'; - Dificuldades de António de Spínola na Revolução e na descolonização; - ANEXO I - MNE - Decreto-Lei n.º 17/77 de / de Janeiro; - ANEXO II - Tribunal Territorial de Lisboa - Julgamento do Capitão Cubano Pedro Rpdriguez Peralta;)
VIII - Fuzilamentos clandestinos mas matas da Guiné-Bissau;
(Repercussões do golpe; - Um historiador guineense analisa a situação; - A posição oficial do PAIGC; - As listagens dos fuzilados...; - As malhas que o império tece...; - Os fuzilamentos do nazismo e do comunismo soviético... - Regressando à Guiné...; - ANEXO I - Relação de indevíduos fuzilados na Guiné-Bissau entre 1974 e 1980; - ANEXO II - Lista dos Africanos (com excepção dos 'Comandos') fuzilados na Guiné - Abril 2006; - ANEXO III - LISTA DOS COMANDOS AFRICANOS FUZILADOS NA GUINÉ (Provisória); - ANEXO IV - PAIGC - Lei da Justiça Militar (1973); - ANEXO V - Relação de guineenses exilados no Senegal em finais de 1975;)
IX - Recordando outros episódios tristes da história recente;
(O descolonizador Mário Soares; - Artigo em 'O DIABO'; - 30.º Aniversário do 25 de Novembro;)
X - Polémica com Almeida Santos;

- CONSIDERAÇÕES FINAIS;
(1. - Os 'ventos da História' e a degradação da posição portuguesa na ONU; - A unanimidade de todos os países contra Portugal e uma ideia original de Amílcar Cabral; - As frustrações de antónio de spínola e a morte de Amílcar Cabral; - O agravamento da situação militar e a proclamação da independência em 1973; - Os fuzilamentos clandestinos e a cultura da violência residual;)

DEPOIMENTOS:
01. - Eng. Amílcar Cabral;
02. - General Almeida Bruno;
03. - Luís Cabral;
04. - Ten-coronel 'Comando' Marcelino da Mata;
05. - Aristides Pereira;
06. - General Pinto Ferreira;
07. - General Nino Vieira;
08. - Coronel tir. Hugo rocha;
09. - Comandante Alpoim Calvão;
10. - Manuel dos Santos (Manecas);
11. - Cecília Supico Pinto;
12. - Coronel 'Comando' Raul Folques;
13. - Coronel 'Comando' Florindo Morais;
14. - Coronel 'Comando' Glória Alves;
15. - Coronel 'Comando' Manuel Ferreira da Silva;
16. - Coronel Pil. Av. Miguel Pessoa;
17. - Dr. João Parente;
18. - Dr. Ludgero Sequeira;
19. - Eng. antónio Bamba;
20. - Dr. Gardete Correia;
21. - Capitão grad. 'Comando' Zacarias Saiegh;
22. - Tenente grad. 'Comando' Amadu Bailo Djaló;
23. - Furriel grad. 'Comando' Julde Jaquité Semedo;
24. - Soldado 'Comando' Salifo Djau;
25. - Regina Mansata Djaló;
26. - José Joaquim Pires;

- Cronologia;
- Bibliografia;
- Ìndice onomástico;




Da contra-capa:
"(...) O livro de Manuel Bernado narra, através de diversos testemunhos, a guerra da Guiné. Foi um dos teatros onde, porventura, a luta foi mais intensa e dura; contudo, em todo o momento podiamos, desde que, com o planeamento adequado e os efectivos necessários, estar presentes em qualquer ponto do território, o que não podia ser conseguido pelo inimigo. Isto não origina que o esforço militar se pudesse prolongar indefinidamente; havia que procurar solução política, inteligente e condigna, que não foi tentada antecipadamente. (...)"
General Ricardo durão

"(...) Depois de ter ganho todas aquelas condecorações, incluindo a Torre e Espada, deixaram-me a vencer apenas como capitão, quando vejo tipos como o Quinhones de Magalhães e o Mário tomé, os mentores da extrema-esquerda e dos que me torturaram no RALIS (1975), com a carreira reconstruída e promovidos a coronel. Nem dá para acreditar. (...)"
Tenente-coronel graduado Marcelino da Mata

"(...) Já se podia prever, através das leis de justiça militar aprovadas em Setembro de 1973, eplo PAIGC, que os fuzilamentos daqueles homens acabariam por se concretizar após a independência. O que veio mesmo a acontecer, nomeadamente em relação à maioria dos oficiais e sargentos das forças especiais. (...)"
Comandante Alpoim Calvão

"(...) Enquanto o PAIGC de nino vieira, após o golpe de 14 de Novembro de 1980, falavar em 500 pessoas executadas nas matas de Cumeré, Portogole e Mansabá, outras fontes referem-se a mais de mil indíviduos fuzilados clandestinamente desde a independência e até aquela altura. (...)"
O autor


Preço: 50,00€

Portugal & Caça - 'CAÇA GROSSA EM PORTUGAL - Apontamentos' - António Augusto Cascales Rosado - Oeiras 1991 - Raro



Portugal & Caça - A caça grossa relatada por quem a conhece ao pormenor


'CAÇA GROSSA EM PORTUGAL - Apontamentos'
De António Augusto Cascales Rosado
Edição do autor
Oeiras 1991

Livro com 528 páginas, muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Raro.


O autor editou esta obra em 1991, ilustrada com fotografias da actividade de caça às espécies de maior porte em Portugal, com recurso à sua vasta experiência e conhecimentos. Uma extraordinária obra única no género em Portugal.


O AUTOR
"António Augusto Cascales Rosado nasceu em Elvas em 1932.
Na sua meninice adorava que seu pai lhe contasse as caçadas africanas (o pai do autor esteve em Angola, na Lucala, em 1904, com os seus tios Barrosos).
Desde muito jovem começou a acompanhar com caçadores e ir com eles à caça.
A tradição das gerações dos Rosados caçadores encontrou nele a continuidade.
E, em 1950, com 18 anos, na época tido como menor, com a responsabilidade de seu pai, obteve as respectivas licenças e formalizou o que já era há longos anos - caçador.
Em Agosto de 1957, como professor, embarcou para Angola, onde foi colocado no Sul, no distrito da Huíla.
A paixão pela caça e o convívio com veteranos caçadores africanos inseriram-no no meio - tornou-se caçador de caça grossa.
Com os seus mestres e companheiros aprendeu os segredos da vida do mato, o caminhar por picadas, savanas, baixas e anharas, aprendeu a ler nos bebedouros dos rios e das mulolas quem tinham sido os visitantes da noite, embrenhou-se por capinzais, 'bissapas', galerias e matas de espinheiras no seguimento de rastos e pistas dos bichos, apreciou o espectáculo e a grandiosidade das queimas, do nascer e pôr-do-sol africanos, dormiu envolto na manta à roda das fogueiras nas frias noites de cacimbo, aprendeu a observar e a conhecer como viviam os bichos do mato, viveu na imensa vastidão do Sul de Angola, a perfeita harmonia da natureza - assim nasceu o ecologista.
E hoje, caçador e ecologista confundem-se, não se sabendo onde começa um e acaba o outro."



Do ÍNDICE:
INTRODUÇÃO;
- O Património Natural;
- Recomendação da Comissãode Ministros do Conselho da Europa aos Estados Membros sobre a formação de caçadores (R-85-17 de 1985-09-23);
- I - Exame de Caçador: programa;
- II - Código de comportamento do caçador;
Capítulo I - PROTECÇÃO DO AMBIENTE CINEGÉTICO
- Biocenose; - Biomassa da biocenosa; - Espécie; - População; - Acção dos seres vivos (factores bióticos); - Relações tróficas ou alimentares; - Interacção predadore-presa; - Cadeia alimentar ou pirâmede alimentar; - Ecossistema ou sistema ecológico; - Biótopo ou habitat; - Nicho ecológico; - Área de distribuição geográfica; - Composição das populações animais; - Estudo das populações; - Relações entre os componentes das populações; - Dinâmica das populações; - Diferentes tipos de flutuações; - Flutuações comuns; - Capacidade biótica; - Flutuações cíclicas; - Papel dos predadores; - Desaparecimento das populações; - Estruturas das biocensores; - Variações temporárias das biocensores; - Introduções artificiais e implantações de novas espécies; - Produtividade das biocensores;
Capítulo II - PROCESSOS DE CAÇA
- Introdução:
Conhecimentos do caçador; - Qualidades do caçador; - Processos de caça maior;
A PERSEGUIÇÃO:
Definição; - Regras dos bons ventos; - Terrenos e trilhos; - Rastos frescos; - Seguimento e aproximação; - Peça à vista; - Tiro: como e quando fazer;
A PROXIMAÇÃO:
Definição; - Conhecimento do local e abundância de caça; - Ida para o local directamente; - Opção do sistema a seguir; - Caçla de levante; - Seguimento e aproximação;
CAÇA DE LEVANTE:
Definição; - Estudo dos terrenos; - Vestígios; - Ventos dominantes; - Colocação de portas ou postos de espera; - Solta da matilha; - Abate das peças; - Pelo matilheiros; - Nas portas de espera;
A ESPERA:
Definição; - Conhecimentos; - Aguardos; - Regra dos bons ventos; - A 'mutala'; - Atitude do caçador; - Ocupação do local; - Iscos, chamarizes, cevadouros e bebedouros; - Tiro: quando e como fazer;
A BATIDA:
Definição; - Director ou monteiro-mor; - Qualidades e conhecimentos; - Táctica e regra dos bons ventos; - Colocação das portas e balizagem do terreno; - Nas portas: atitude dos caçadores; - Batedores: qualidades; - As pontas ou sota-monteiros; - Intercomunicações: centro pontas; - Como devem caminhar os batedores; - Início da batida: sinal;
A MONTARIA:
Definição; - Diferença entre batida e montaria; - Organização e coordenação; 'Gancho';
O ENCONTRO DO ACASO:
Definição; - Ocasiões; - Prevenção; Atitude do caçador;
A CAÇA FOTOGRÁFICA;
Capítulo III - O TIRO
Tiros fundamentais:
- Tiro ao cérebro; - O olho; - A orelha; - A nuca; - A testa; - Tiro de espádua; Tiro de pescoço;
Capítulo IV - O REMATE
- Definição; - Remate na caça grossa africana; - À bala; - À arma branca; - O 'javite'; - A 'mutunga'; - Pontos vitais; - Remate na caça grossa europeia; - Atradição; À arma branca; Pontos vitais e referênciais;
Capítulo V - O CÃO DE PISTA DE SANGUE
- Considerações; - Requisitos; - Raças; - Treino;
Capítulo VI - O TROFÉU
- Significado; Taxidermia e taxidermista; - Corte do troféu para embalsamemento; - Esfola e conservação de peles; - Troféu para pontuação C.I.C.;
Capítulo VII - JAVALI
- Características; - Habitat; - Modo de vida; - Alimentação; - Reprodução; - Processos de caça; - Vestígios; - 1.º - A perseguição; - 2.º - Caça de levante; - 3.º - Caça de aproximação; - 4.º - Caça de espera; - 5.º - Caça de batida ou montaria; - Esquemas de bater; - O tiro; - O troféu;
Capítulo VIII - VEADO
- Características; - Desenvolvimento de armação; - Habitat; - Modo de vida; - Alimentação; - Reprodução;
Processo de caça:
- 1.º - A perseguição; Vestígios; - 2.º - A aproximação; - 3.º - A espera; - 4.º - A batida ou montaria; - O tiro; - O troféu;
Capítulo IX - GAMO
- Características; - Habitat; - Modo de vida; - Alimentação; - Reprodução; - Idade e armação;
Processo de caça:
- 1.º - A perseguição; Vestígios; - 2.º - A aproximação; - 3.º - A espera; - 4.º - A batida ou montaria; - O tiro; - O troféu;
Capítulo X - CORÇO
- Características; - Formação da armação; - Habitat; - Modo de vida; - Alimentação; - Reprodução;
Processo de caça:
- 1.º - A perseguição; Vestígios; - 2.º - A aproximação; - 3.º - A espera; - 4.º - A batida ou montaria; - O tiro; - O troféu;
Capítulo XI - LOBO
- Lei n.º 90/88, sobre a protecção do lobo; Características; - Habitat; - Modo de vida; - Alimentação; - Reprodução;
Processos de caça:
- 1.º - A Montaria ou Batida; - 2.º - A Espera; - 3.º - O Encontro de Acaso; - O troféu;
Capítulo XII - ARMAS E MUNIÇÕES
- REGRAS DE SEGURANÇA;
- ARMAS DE CANO ESTRIADO;
- MUNIÇÕES PARA CARABINAS;
- APARELHOS DE PONTARIA;
- REGULAR A CRABINA;
- REGULAÇÃO:
Regulação com mira teslescópica; - O treino do tiro de caça grossa; - Treinos em casa; - Treino no campo; - Fogo real;
Capítulo XIII - BINÓCULOS
- Utilidade; - Características; - Modelos;
Capítulo XIV - CONSIDERAÇÕES FINAIS
- Cuidados de partida; - Documentação; - Arma; munições; faca de mato; - Mira telescópica; - Mochila; - Equipamento de sobrevivência; Bornal de tiracolo; Primeiros socorros; Caixa de costura; Farnel; Banco; - Vestuário e calçado; Vacina antitetânica; - 'Safari' em África; Legislação; - Caça; - Ambiente; - Armas e munições; - Cães.
bibliogrefia.



Preço: 75,00€

Portugal & PREC - 'MEMÓRIAS DA REVOLUÇÃO - Portugal 1974-1975', de Manuel Amaro Bernardo - Lisboa 2004 - Raro



Portugal & PREC - A revolução e o processo revolucionário em curso analisados por um militar que os viveu


'MEMÓRIAS DA REVOLUÇÃO - Portugal 1974-1975'
De Manuel Amaro Bernardo
Prefácio Editora
Lisboa 2004


Livro com 740 páginas e em muito bom estado de conservação.
De difícil localização.
Raro.


A revolução portuguesa iniciada com o derrube do governo do Prof. Marcelo Caetano no dia 25 de Abril de 1974 e o seu PREC (Processo Revolucionário em Curso), além da descolonização nas ex-colónias portuguesas, onde reinava uma guerra de guerrilhas nas maiores (Angola, Guiné e Moçambique). Assuntos estes analisados e relatados por um militar que viveu os acontecimentos históricos.


Preço: 45,00€

Angola & Literatura - 'O CANTO DO MARTRINDINDE', de Ernesto Lara Filho - Luanda 1989 - MUITO RARO



Angola & Literatura - A obra do poeta marginal e inconformista falecido aos 45 anos no Huambo de acidente


'O CANTO DO MARTRINDINDE'
De Ernesto Lara Filho
Edição da União dos Escritores Angolanos
Luanda 1989


Livro com 100 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.


Uma homenagem da União dos Escritores Angolanos a um dos maiores poetas e intelectuais angolanos, reunindo os poemas dos três livros editados em vida por Ernesto Lara Filho:
- 'PICADA DE MARIMBONDO' (1961);
- 'O CANTO DE MARTRINDINDE' (1963); e
- 'SERIPIPI NA GAIOLA' (1970).


Da contra-capa:
"Quando, a 7 de Fevereiro de 1977, o poeta Ernesto Lara Filho faleceu no Huambo, vítima de um absurdo acidente de viação nocturno seguido de uma intervenção cirúrgica lá desesperada, deixou à literatura angolana um nome que entre os finais da década de cinquenta e a primeira metade dos anos sessenta assinou crónicas e reportagens de elevada qualidade um pouco por toda a chamada 'grande' imprensa da época e três livros de poesia: 'PICADA DE MARIMBONDO (1961), 'O CANTO DE MARTRINDINDE' (1963) e 'SERIPIPI NA GAIOLA' (1970).
E se a primeira destas duas facetas granjeou a popularidade do seu autor (...) também enquanto poeta o seu talento no quadro dos anos sessenta está fora de discussão. Foi, de resto, ele próprio quem sublinhou a abrir a sua derradeira reunião de poemas: 'A angolanidade implícita e explicita na minha poesia pode divisar-se até nos títulos dos três livros publicados e já não pode ser discutida. É hoje uma afirmação e vem de longe, desde que em 1959 fui incluído na primeira antologia de poesia angolana editada em Lisboa pela Casa dos Estudantes do Império.'
David Mestre em 'NEM TUDO É POESIA' "



Do ÍNDICE:
- Nota à terceira edição - David Mestre - Luanda 1989;

PICADA DE MARIMBONDO
- A Casa da velha;
- Amor de mulata;
- Maracujá;
- Regresso;
- O Velho Catuìtuì;
- Picada de Marimbondo;
- Infância perdida;
- Teus olhos de Dendém;
- Sua carta, Minha Mãe;
- Aos meus amigos da Europa;
- A erosão;

O CANTO DE MARTRINDINDE
- Elisa Mulata;
- Era no tempo dos Tamarindos;
- Aos Poetas do norte;
- Dondo;
- Quando eu morrer;
- Dongo;
- Exortação;
- Nós iremos, nós também;
- Infância;
- Olhar para os nossos amanhãs;
- Pergunta;
- O Canto do Martrindinde;
- Um poema do ciclo vegetal;

SERIPIPI NA GAIOLA
- Seripipi de Benguela;
- O canto da Liberdade;
- Poema da Praia Morena;
- Poema de Sábado;
- Caminho de Musseque;
- Sinceridade;
- Poema da manhã;
- Resposta;
- Ternura;
- Na noite dos Cazumbis;
- Humorismo;
- Visões;

QUATRO INÉDITOS
- As Acácias da minha rua;
- Exílio verde;
- Sempre;
- Carta para o Huambo;



Preço: 0,00€ (Indisponível)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

LIVROS DO ULTRAMAR E GUERRA COLONIAL - BLOG - 100,000 VISITAS ! - Atingimos hoje este número após 3 anos de actividade.




LIVROS DO ULTRAMAR E GUERRA COLONIAL - BLOG - 100,000 VISITAS !
- Atingimos hoje este número após 3 anos de actividade.


Os nossos agradecimentos a todos os visitantes e interessados nos livros aqui divulgados.
Será possível continuar com as vossas visotas e apoio.
Cumprimentos para todos e o nosso grande obrigado.

E curiosamente, hoje tb já batemos o recorde de visitas diárias.
Até às 21,30h já nos visitaram mais de 340 interessados !
E terminamos com 374 visitas...


A Direcção
26 de Janeiro de 2015


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Angola - '... DA MINHA ÁFRICA E DO BRASIL QUE EU VI ...', de Neves e Sousa - Luanda 1972 (?) - MUITO RARO




Angola - Brasil e Angola irmanados na cultura pela pena e arte do artista maior angolano


'... DA MINHA ÁFRICA E DO BRASIL QUE EU VI ...'
De Neves e Sousa
Edição CITA (Centro de Informação e Turismo de Angola)
Luanda 1972 (?)


Livro com 250 páginas, mais de 100 ilustrações e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.


Obra do mais consagrado artista angolano, com 124 ilustrações e em quatro línguas (Pportuguês, francês, inglês e Alemão).


Preço: 140,00€

Ultramar & Descolonização - 'TIMOR LORO SAE - 500 ANOS', de Geoffrey C. Gunn - Lisboa 1999 - Muito raro



Ultramar & Descolonização - A história colonial de revoltas da antiga colónia portuguesa


'TIMOR LORO SAE - 500 ANOS'
De Geoffrey C. Gunn
Livros do Oriente
Lisboa 1999


Livro com 356 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito raro.


Da contra-capa:
"TIMOR LORO SAE: 500 ANOS é a primeira história dessa pequena ilha no sudoeste asiático publicada em língua inglesa (e agora traduzida para português), em forma de livro.
Baseando-se em variadas fontes em línguas europeias e arquivos, Gunn apresenta-nos uma perspectiva colateral sobre o funu timorense - ou a arte da guerra -, e as incursões dos forasteiros.
O caso de Timor, analisado ao longo de muito tempo, situa-se fora do modelo clássica de uma pacificação colonial, de cobrança de impostos e mission civilitrice. Muito pelo contrário, tal como esta obra nos explica, Timor e o arquipélago Flores-Solor funcionaram como um centro de recolha de comércio sazonal do muito apreciado sândalo de Timor efectuado por chineses, macaenses, portugueses e outros. (...)
Terá a grande revolta de Boaventura, nas primeiras décadas deste século, lançado as sementes do nacionalismo timorenses? (...)
Terá o colonial-capitalismo da colónia portuguesa lançado as bases para um estado independente viável? Ou, finalmente, foi timor, mais do que colónia, governado como um protectorado?."


O AUTOR - Geoffrey C. Gunn
Geoffrey visitou Timor diversas vezes desde 1967-69 até 1972, quando Timor era então colónia portuguesa, regressando depois em 1992, 1993 e 1998, já sob o domínio militar indonésio.
A investigação histórica para esta obra começou-a em 1986, estando a leccionar sobre a questão de Timor-Leste na Universidade de New South Wales, e posteriormente prossegiu-a em bibliotecas e arquivos de Nagasaqui, Melbourne, Darwi, Macau e Lisboa, entre outros.


Do ÍNDICE:
- Introdução;
(Rebelião, Historiografia, Períodos e Notas)
- Capítulo 1 - A SOCIEDADE TIMORENSE
(Origens; Sistema político indígena; Crenças e Práticas religiosas indígenas; Língua e etnia; O modo comunitário de produção; Escravatura; Conclusão e notas;)
- Capítulo 2 - O DESCOBRIMENTO DE TIMOR
(O comércio do Sândalo e o descobrimento de Timor pelos chineses; O descobrimento europeu de Timor; A zona solor-Flores; Os Holandeses e o comércio do Sândalo; Conclusão e notas;)
- Capítulo 3 - A ILHA DE SANTA CRUZ
(Integração mundial ou poder tributário asiático?; Mena e aconquista de Wehale;Kupang; Lifau em Ocussi; Macau, os chineses e o comércio do sândalo; Conclusão e notas;)
- Capítulo 4 - A REBELIÃO TOPASSE E O CERCO DE LIFAU
(A ascensão do poderio Topasse; A rebelião Cailaco; O cerco de Lifau; Conclusão e notas;)
- Capítulo 5 - DILI: A FUNDAÇÃO
(Alianças; O desenvolvimento do comércio; Vicissitudes dos governadores; Conclusão e notas;)
- Capítulo 6 - O PROCESSO COLONIAL EM TIMOR PORTUGUÊS NO SÉCULO XIX
(Governo e Administração Pública; Orçamento colonial; Reorganização colonial; Saúde Pública; Situação das missões; O fomento do café a prosperidade económica; Declínio económico; Conclusão e notas;)
- Capítulo 7 - A RIVALIDADE LUSO-HOLANDESA EM TIMOR
(Rivalidades europeias; O conflito territorial luso-holandês; O governador Lopes de Lima e a Grande Traição; O problema dos enclaves; Conclusão e notas;)
- Capítulo 8 - AS REVOLTAS CONTRA OS IMPOSTOS (1860-1912)
(Pacificação colonial e revoltas em Timor; A revolta de 1861;Rebelião em Vermasse, Lermean e Saniry; Revolta em Cova; A revolta dos moradores; A revolta de Maubara; A guerra de Manufai; Conclusão e notas;)
- Capítulo 9 - A REVOLTA DOS MANUFAISTAS
(Timor e a implantação da república (1910); A revolta de D. Boaventura de Manufai (1811-1812); Causas da revolta; Sequelas da revolta; A formação de uma Élite; Conclusão e notas;)
- Capítulo 10 - CAPITALISMO COLONIAL EM TIMOR PORTUGUÊS (1894-1941)
(As finanças do Estado; O capitalismo agrícola e controlo fundiário; O controlo estatal dos recursos; Conclusão e notas;)
- Capítulo 11 - ENTRE AS DUAS GUERRAS: CULTURA, CONTROLO E DISSUASÃO
(Salazar e o Estado Novo (1926); O controlo dos trabalhadores e a Dissuasão Coerciva; A cruzada cultural portuguesa; Descrições; Conclusão e notas;)
- Capítulo 12 - TIMOR EM TEMPO DE GUERRA: 1941-45
(O domínio militar japonês em Timor: 1942-1945; Comandos australianos em Timor Português; A Austrália, Portugal e a rendição japonesa; Crimes de Guerra; Conclusão e notas;)
- Capítulo 13 - CAPITALISMO COLONIAL E SUBDESENVOLVIMENTO NO PÓS-GUERRA EM TIMOR
(A recuperação depois da guerra; A Administarção no pós-guerra; Dinâmica da economia no pós-guerra; Exploração de minérios e investimento estrangeiro; Conclusão e notas;)
- Capítulo 14 - MUDANÇA POLÍTICA E DESCOLONIZAÇÃO
(A revolta de Viqueque em 1959 e as suas consequências; Timor Português no médias estrangeiros; O despertar político; A campanha indonésia de desestabilização; O governo da FRETILIN; O desfecho português; Conclusão e notas;)
- Conclusão - O FUTU TIMORENSE
(Epílogo; Invasão e resistência; Notas;)
- bibliografia;
- Índice remissivo;




Preço: 70,00€

Angola & Guerra colonial - 'ENGRENAGENS MALDITAS', de Reis Ventura - Braga 1964 - Raro



Angola - A vida na ntiga colónia portuguesa no período de guerra e conspiração política


'ENGRENAGENS MALDITAS'
De Reis Ventura
Editora PAX
Braga 1964


Livro com 294 páginas e em bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Raro.


Do ÍNDICE:
Um discurso na ONU;
- O GRANDE SENHOR;
- AMBIENTE;
- HOMENS;
- ARAM FARPADO;
- A HISTÓRIA DE GILDA;
- VOZES DO MUNDO;
- REPORTAGENS;
- NA TERRAS DAS ACÁCIAS RUBRAS;
- ANOS SEM HISTÓRIA;
- RESSURREIÇÃO;
- OUTRA VOLTA PELO MUNDO;
- O INCRÍVEL INCIDENTE;
- VIDA FELIZ;
- ANIVERSÁRIO DE THELMA;
- E DE REPENTE VEIO A NOITE;
- DOIS HOMENS NA MILÍCIA;
- O ATAQUE;
- AS ÚLTIMAS RAÍZES;
- REENCONTROS;
- ANTES DO FIM;


Preço: 32,50€

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Tomar & Monumentos - 'IGREJA DE STA. MARIA DOS OLIVAIS' Boletim da DGEMN Nº 27 (Porto 1942) - MUITO RARO



Tomar - A magnífica igreja de Santa Maria dos Olivais onde está sepultado D. Guladim Pais


'IGREJA DE STA. MARIA DOS OLIVAIS'
Boletim da DGEMN Nº 27
Porto 1942


Livro com 82 páginas, muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.

Uma edição da DGEMN (Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais), com informação histórica e técnica da igreja de Santa Maria dos Olivais (Olivais mandados plantar pelo Infante D. Henrique e fonte de receitas para as descobertas), muito ilustrado com fotografias e belissimos desenhos da fachada, paredes lateriais e interiores e explicação das reconstruções e evolução do próprio edifício.

Uma magnifíca obra sobre a igreja onde se encontra sepultado o cavaleiro D. Guladim Pais, fundador de Tomar e Mestre da Ordem dos Templários.

Do ÍNDICE:
- A IGREJA DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS
- Notícia histórica;
- I. - Antes da restauração;
- II. - As obras da restauração;
- ESTAMPAS



Preço: 70,00€

Guerra colonial - Guiné & Moçambique - 'GADAMAEL', de Carmo Vicente - Lisboa 1982 - RARO



Guerra colonial - A guerra colonial contada de forma nua e crua na Guiné e Moçambique por quem a viveu


'GADAMAEL'
De Carmo Vicente
Edições Ró
Lisboa 1982


Livro com 112 páginas e em bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Raro.


Da contra-capa;
"Carmo Vicente é 1.º sargento paraquedista, tem 35 anos, e participou em três comissões de serviço nas frentes de combate da Guiné e Moçambique. 'GADAMAEL' é uma narrativa apaixonada, mas profundamente crítica, dessa experiência.
Dando assim mais uma achega para a construção histórica do itinerário colonial de parte significativa da juventude portuguesa, entre 1961 e 1975.
Sobre Carmo Vicente escreve em prefácio Manuel Geraldo:
Ao contrário de vários auotres que até agora já se debruçaram sobre o mesmo tema, Carmo Vicente possui a vantagem de ter sido mobilizado pela primeira vez como soldado, acabando por chegar a 1973 na situação de 1.º sargento, no comando de um pelotão, precisamente em Gadamael. Logo viveu o conflito em toda a sua plenitude, como 'actor' em escalões progressivos e com graus de sensibilização diversa."



Preço: 0,00€ (Indisponivel)

Angola & Poesia - 'MACUTA E MEIA DE NADA'. de Neves e Sousa - Lisboa 1991 (Assinado) - MUITO RARO



Angola - De um dos melhores ilustradores de Angola e poeta


'MACUTA E MEIA DE NADA'
De Neves e Sousa
Edição de autor
Lisboa 1991


Livro com 256 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
Exemplar assinado pelo autor e com dedicatória.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


A obra reúne parte da sua poesia publicada nos livros 'MAHAMBA' (1943-1950), 'BATUQUE' (1960), 'MUENHO' (1965), 'MACUTA E MEIA DE NADA' (1973), 'OLOHUMA' (1977-1981), e poesia escrita em S. Tomé, Moçambique e Brasil.

Além da poesia de Neves e Sousa, a obra tem dezenas de ilustrações excepcionais.


Preço: 120,00€

domingo, 11 de janeiro de 2015

Timor & Descolonização - 'OS 25 ANOS DA QUESTÃO DE TIMOR LESTE NO PARLAMENTO PORTUGUÊS' - Lisboa 2000 (2 volumes) - RARO




Timor & Descolonização - A saga dos timorenses na descolonização e ocupação indonésia


'OS 25 ANOS DA QUESTÃO DE TIMOR LESTE NO PARLAMENTO PORTUGUÊS' (2 volumes)
Edição da Assembleia da República
Lisboa 2000


Obra em 2 volumes e com a respectiva caixa arquivadora.
Em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Raro.

Volume I
Com 672 páginas.

Do ÍNDICE:
01. - Nota de Abertura de S. Ex.ª o Presidente da Assembleia da República, António de Almeida Santos;
02. - Introdução do senhor Presidente da 8.ª CEASTL (Comissão Eventual para Acompanhamento da situação em Timor Leste), deputado Miguel Anacoreta Correia;
03. - Em 1982, a Assembleia da República resolve constituir a 1.ª Comissão Eventual para Acompanhamento da Situação em Timor Leste;
a) - Composição das diferentes comissões eventuais;
04. - Primeiro enquadramento histórico da "QUESTÃO DE TIMOR" feito, em 1986, pela 4.ª Comissão Eventual para Acompanhamento da Situação em Timor Leste;
05. - A "QUESTÃO DE TIMOR LESTE" no diário da Assembleia Constituinte (1975 - 1976);
06. - A "QUESTAÕ DE TIMOR" no Diário da Assembleia da República (1976 - 2000);
a) - Intervenções em Plenário;
b) - Relatórios da CEASTL;
07. - A "QUESTÃO DE TIMOR LESTE" nas quatro revisões da Constituição da República Portuguesa;
08. - A Conferência Interparlamentar de Lisboa por Timor Leste e "A DECLARAÇÃO FINAL DE LISBOA" (1995);
a) - Nota Prévia e Sessão de Abertura;
b) - Temas abordados nas sessões de trabalho;
c) - "Declaração de Lisboa";
d) - Lista de Participantes;
09. - Índice Onomástico;



Volume II
Com 320 páginas. Ilustrado.

Do ÍNDICE:
01. - Intervenções dos deputados portugueses sobre a "QUESTÃO DE TIMOR LESTE" em reuniões e organizações internacionais;
02. - Ooutras acções desenvolvidas pelas diferentes CEASTL;
03. - A Assembleia da República institui o "DIA NACIONAL DE SOLIDARIEDADE COM O POVO DE TIMOR LESTE" em 6 de Dezembro de 1990;
04. - A Assembleia da República, em 15 de Novembro de 1995, reune em cerimónia especial sobre o aniversário do massacre de Santa Cruz, em timor Leste;
05. - A Assembleia da República institui o 'DIA DE TIMOR LESTE' em 28 de Novembro de 1996;
06. - Prémios instituídos pela Assembleia da República ou com o seu patrocínio;
07. - A situação pós-Referendo de 30 de Agosto de 1990;
08. - Sessão solene de Boas-Vindas e Homenagem ao Presidente do Conselho Nacional da Resistência Timorense, Xanana Gusmão;
09. - Visita de uma delegação da 8.ª CEASTL a Timor Leste (Abril de 2000) - RELATÓRIO APRESENTADO AO PLENÁRIO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA;
10. - Documentos fotográficos sobre o trabalho de acompanhamento da situação em Timor Leste desenvolvido pelas diferentes CEASTL;
11. - ANEXOS;
a) - Lista de Obras publicadas ou patrocinadas pela Assembleia da República;
b) - Lista dos 'Diários da Assembleia da República';
12. - Índice onomástico;



Preço: 100,00€

Portugal & Tomar - 'HISTÓRIA DE UMA FÁBRICA - A Real Fábrica de Fiação de Thomar', de Manuel da Silva Guimarães - Santarém 1976 - Raro




Tomar - A fábrica de Fiação de Tomar e o seu impecto na região


'HISTÓRIA DE UMA FÁBRICA - A Real Fábrica de Fiação de Thomar'
De Manuel da Silva Guimarães
Edição da Junta Distrital de Santarém
Santarém 1976


Livro com 354 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Raro.

Do ÍNDICE:
- Introdução;
- A real Fábrica das sedas e os estabelecimentos industriais de Gabriel de la Croix e Noel Le Maítre em Tomar (1771 a 1789);
- Real Fábrica de Algodões, Lençaria e Meias de Tomar

- 1.ª sociedade; JACOME RATTON e TIMOTHEO LECUSSAN VERDIER (1789 a 1793);
- 2.ª sociedade: TIMOTHEO LECUSSAN VERDIER, ANTÓNIO JOSÉ FERREIRA, FRANCISCO PALYART e MIGUEL LOURENÇO PERES (1793 a 11797);
- 3.ª sociedade: TIMOTHEO LECUSSAN VERDIER, FRANCISCO PALYART, JACINTO JOSÉ DE CASTRO, JACOME JUVALTA, D. ANA ISABEL VERDIER; FRANCISCO LUIS PEREIRA DE CASTRO e FELIX CLAMOUSE PALYART (1797 a 1810);
- 4.ª sociedade: JACOME JUVALTA, TIMOTHEO LECUSSAN VERDIER, JUVALTA FRIZONI e COMP.ª, D. ANA ISABEL VERDIER e FRANCISCO LUIS PEREIRA DE CASTRO E SOBRINHOS (1810 a 1816);
- ADMINISTRAÇÃO LOUREIROS (1816 a 1873);
- COMPANHIA DA REAL FÁBRICA DE FIAÇÃO - THOMAR
- Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada (1874);
- Henrique Pereira Taveira;
- Adminstração Marcelino Facco - Taveiras (1874 a 1878);
- Adminstração Silva Amado, Eugénio Leitão e Delfim Guimarães (1878 a 1900);
- Da "Crise" a José Rodrigues Simões;
- DE 1945 AOS NOSSOS DIAS...
- Documentos;



Preço: 60,00€

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Ultramar & Colonialismo - 'PONTES NO ULTRAMAR PORTUGUÊS' (Edição da AGU) - Lisboa 1968 - Muito raro




Ultramar - As obras de arte e engenharia que os portugueses construíram nas suas ex-colónias


'PONTES NO ULTRAMAR PORTUGUÊS'
Edição da Agência-Geral do Ultramar
Lisboa 1968


Livro com 110 páginas, de tamanho grande (Em português e inglês), muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito diícil localização.
Muito raro.

uma edição da AGU e da responsabilidade da Direcção dos Serviçso de Pontes e Estruturas, da Direcção-Geral de Obras Públicas, tendo como responsáveis J. Côrte-Real de Landerset (Director de Serviços) e J. M. Garcia da Fonseca Perlioro (Engenheiro civil).


Do ÍNDICE:
I - Introdução;
II - Considerações Gerais sobre as comunicações no Ultramar;
III - OBRAS DE ARTE EM ANGOLA

- Estrada EN 2; - Ponte sobre os rios Lué, Catumbela, Paza e Lifane III; - Ponte sobre o rio Sembo; - Ponte Álvaro Freitas Morna sobre o rio Loge; - Ponte sobre os rios Virina, Onzo e Uezo; - Pontes sobre o rio Dande em Porto Quipire e sobre a lagoa de Panguila; - Pontes sobre os rios Xixe e Muchau; - Ponte Sa Viana Rebelo sobre o rio Lucala; - Ponte sobre o rio Quanza próximo à Catumbela; - Ponte do Mucongo e pontões do Luíme I e II, Seca, Sanguissa e Muxixe; - Ponte Silva Carvalho no rio Queve (Queve I); - Pontões do Cuito, Cuchem e Cavombua; - Ponte sobre o rio Calongué; - Ponte sobre o rio Cunhangâmbua; - Pontes sobre os rios Coquengo e Luvavo; - Pontes sobre os rios Calai, Cuando, Iumbi, Cupacaça e Uaba; - Ponte sobre o rio Cussece; - Pontões sobre o rio Chicole, Chivulo e Chiba; - Ponte Eng. Trigo de Morais o rio Cunene; - Estrada EN 3; - Ponte Sá Carneiro sobre o rio Dande; Ponte sobre o rio Dange, próximo de Quibaxe; Pontões do Chio, Lage e Luquixe; Ponte Pinheiro Chagas sobre o rio Lucala; Estrada EN 6; - Ponte sobre o rio Nhia; Pontes sobre os rios Cubal em Quicombo, Cubala, Cubal da Hanha e pontão sobre o rio Seco; - Pontes sobre os rios Dui e Cuvelo; - Estrada EN 7; Ponte sobre o rio Culango I; - Pontes sobre os rios Chicucurula e Upano; - Ponte sobre o rio Cubal do Quissange; - Pontes sobre os rios Cubal, Culai, Lambócua, Ongolo, Chiriabera, Balombo, Cavaco, Caata e Chandongo I e II; - Ponte sobre o rio Lucala III; - Ponte sobre o rio Lombe; - Estrada EN 10; - Ponte sobre o rio Luachimo; - Estrada EN 11; Estrada EN 12; - Ponte sobre orio Chiluango; - Estrada EN 26; - Estrada EN 27; - Estrada EN 33; - Pontes sobre os rios Lugire, Capacaça, Mussoluíge, Lifune e Lugia; - Ponte sobre o rio Cuango; Pontes sobre os rios Cacuilo, Chicundo, Cariúa; Cuilo, Peso, Luchinga, Luvo e Luele; - Ponte sobre o rio Luange; - Ponte sobre o rio Jimbe; - Estrada EN 34; - Ponte sobre o rio Cuebe; - Estrada EN 35; - Estrada EN 39;
- Obras de arte ferroviárias;
- Caminho de Ferro de Luanda;
- Ponte sobre o rio Muchau; - Ponte sobre o rio Mucoso;
- Caminho de Ferro do Congo; - Ponte sobre o rio Bengo; - Ponte sobre a lagoa de Panguila; - Ponte sobre o rio Dande;
- Caminho de Ferro de Moçamedes; Barragem do Cunene na Matala; Ponte sobre o rio Cubango; Pontes Cutao I e II, na chana do rio Cutato;Ponte sobre o rio Cuchi; - Ponte sobre o rio Muussanga; - Ponte sobre o rio Luassenha;Ponte sobre o rio Cuelei; Ponte sobre o rio Tchipombo; - Ponte sobre o rio Cuebe; Ponte obre o rio Cului, no ramal de Cassinga;
- Caminho de Ferro de Benguela;
- Obras de arte portuárias;
- Obras do Porto de Luanda; - Obras e apetrechamento do Porto Mineiro do Saco, em Moçamedes;
IV - OBRAS DE ARTE EM MOÇAMBIQUE
- Estrada Nacional n. 1 (Lanço de Lourenço Marques a João Belo); - Ponte sobre o rio Chicumbane; - Viaduto na baixa do Chicumbane; - Ponte sobre o rio Limpopo; - Lanço do Lindela ao rio Save; - Ponte sobre o rio Inhanombe; Ponte sobre o rio Furvela; Ponte sobre o rio Jogó; - Ponte sobre o rio Save; Lanço rio Save-Inchope; - Passagem superior do Inchope; - Estrada EN 2; - Passagem superior do Caminho de Ferro de Goba; - Estrada EN 3; - Passagem sobre o rio Mahau; - Estrada EN 4; - Passagem sobre o rioMovene; - Estrada EN 6; - Ponte sobre o rio Pungué; - Ponte sobre o rio Dopodzi; - Ponte sobre o rio Inhamatanda; - Ponte sobre o rio Munene; - Ponte de Caminho de Ferro sobre o rio Mecuchira; - Estrada EN 8; - Ponte mista de estrada e caminho de ferro sobre o rio Muanda; - Pontec de ligação da ilha de Moçambique ao continente; - Auto-estrada da Matola; - Passagem superior da auto-estrada, no nó da Machava; - Ponte sobre o rio Mecumbeze; - Ponte sobre o rio Mutamba, na estrada de Lindela para Inhambane (EN 101); - Estrada EN 102; - Obras de arte no lanço EN 6, rio Pungué; - Pontes no lanço do rio Pungué-Vila Gouveia; - Ponte sobreo rio Pungué; - Ponte sobre o rio Nhacangara; - Pontes sobre os rios Nhamaare, Inhamandimué e Malínué; - Pontes no lanço Vila Gouveia-Guro; - Ponte sobre o rio Nazónia; Ponte sobre o rio Fuzi; - Ponte sobre o rio Nhamuca; Estrada EN 103; - Ponte sobre o rio Mudué; Pontes sobre os rios Cuira e Messáua; Ponte sobre o rio Revúgué; - Estrada EN 106; - Ponte sobre os rios M'Copote, Lágua e Titimar; - Pontes sobre os rios Muacala, Mucuburi e Nieque; - Ponte sobre o rio Changalane; - Ponte sobre o rio Changane; - Estrada EN 221; - Estrada EN 232; - Pontes sobre os rios Meluli e Namaita; - Reconstrução das pontes sobre os rios Murrala, Nivuraco e Nagiúa; - Estrada EN 243; - Ponte sobre o rio Montepuez, no lanço Sunate-Macomia; - Pontes sobre os rios Nango, Muera, Nungo, Mapuede e Messalo e viadutos nas baixas do Muere e Messalo; - Pontes sobre os rios Lutambo, Damagué, Muacamula, Natate, Namirágué, Nicope e Muaguide; - Ponte sobre o rio Incomati; - Ponte sobre o ri Meluli; - Ponte sobre o rio Lugenda;


Preço: 75,00€

Caça & Fauna - 'DA CAÇA - Palestras Cinegéticas', de António Bomfim - Lisboa 1946 - Muito raro



Caça & Fauna - Alocuções e palestras cinegéticas por um grande e conceituado especialista


'DA CAÇA - Palestras Cinegéticas'
De António Bomfim
Livraria Clássica editora
Lisboa 1946


Livro com 134 páginas, ilustrado e em bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito raro.

O autor efectua uma extensa reflexão temática sobre a caça e as actividades cinegéticasa, tendo em referência a polémica lançada por um outro livro então dado à estampa, 'O Problema Venatório Português (Estudo e Crítica)', de José Arantes de Freitas Cruz.


Do ÍNDICE:
- Apresentação;
- A caça;
- Legislação da caça;
- As aberturas;
- A destruição dos animais rapaces;
- A caça de batida à perdiz;
- A caça com furão;
- Linha de caçadores;
- O uso das armas de fogo por menores;
- O problema das coutadas;
- Licenças de caça;
- Fiscalização;
- A Federação da caça;



Preço: 47,50€

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Guerra colonial - 'A FORÇA AÉREA NA GUERRA EM ÁFRICA', de Luis Alves de Fraga - Lisboa 2004 - Muito raro



Guerra colonial - A acção da Força Aérea Portuguesa nas guerras de África


'A FORÇA AÉREA NA GUERRA EM ÁFRICA (Angola, Guiné e Moçambique 1961-1974)'
De Luis Alves de Fraga
Edição Prefácio
Lisboa 2004


Livro com 158 páginas, muito ilutrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localzação.
Muito raro.


Sinopse:
É um relato onde se deixam alguns pormenores inéditos, feito com base documental. Dar-se-á muito maior relevo à acção do chamado poder aéreo, isto é, ao emprego das aeronaves, do que à meritória acção das tropas pára-quedistas as quais, na época, faziam parte integrante da Força Aérea.

«Quando em Março de 1961, a população portuguesa foi sacudida pela brutalidade do massacre, que no Norte de Angola fez talvez um milhar de vítimas, perpassou pelos mais novos o desejo de vingar o atentado que terroristas, ao "serviço de ideais" estrangeiros, haviam perpetrado contra uma Pátria onde, acreditávamos, não se estabeleciam distinções de qualquer natureza.
Treze longos anos que fizeram sumir os ideais daqueles para quem o conflito já pouco ou nada dizia e, para os muitos que foram em missão de soberania para África, serviram para mostrar a existência das diferenças – e diferenças flagrantes – entre o Minho e Timor. Este processo de desgaste dos ideais que nos haviam imposto foi lento e por vezes doloroso. Os oficiais, com exclusão de alguns que se tinham cristalizado no discurso político, foram tomando consciência do quanto se lhes estava a pedir... E não era a pátria que exigia tal sacrifício... Mas antes os interesses instalados de uns quantos, poucos, para quem o Ultramar sempre foi fonte de larguíssimos rendimentos. Pelo meio ficavam muitos que haviam acreditado na propaganda bem urdida e viriam a ser vítimas da descolonização possível.
A Força Aérea, como ramo das Forças Armadas, já estava em Angola, na Guiné e em Moçambique quando a guerra estalou. Cumpriu a sua obrigação como lhe cabia. Cumpriu até à hora de Portugal dar novas Pátrias ao mundo, retirando-se de terras que havia controlado, afinal, por bem poucos anos. A Força Aérea fez a guerra sem rancores nem ódios, procurando, sempre que lhe era possível, tratar com humanidade e desvelo o inimigo ferido ou o prisioneiro acabrunhado. Terão havido excepções; impossível era não as haver.»


Luís Alves de Fraga
Luís Alves de Fraga nasceu em 1941 em Lisboa. Coronel da FAP e diplomado pela Academia Militar. Licenciado em Ciências Político-Sociais pela Universidade Técnica de Lisboa, onde obteve o grau de Mestre em Estratégia.


Preço: 60,00€

domingo, 4 de janeiro de 2015

25 de Abril & Revolução - '25 DE ABRIL - Documento' - Lisboa 1974 - RARO



25 de Abril - A revolução explicada por texto e por fotografias


'25 DE ABRIL - Documento'
Edição Casa Viva
Lisboa 1974


Livro com 190 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
Esgotado no mercado. De difícil localização.
RARO.

Com coordenação de jornalistas de prestígio, Afonso Praça, Albertino Antunes, António Amorim, Cesário Borga e Fernando Cascais. Com excelentes e elucidativos textos dos acontecimentos sobre a revolução de 25 de Abril em Portugal e excelentes e muitas fotografias ilsutrativas.

Uma obra que serve, como documento histórico, para o relato daqueles acontecimentos.


Preço: 40,00€

Portugal & Revolução - '25 DE ABRIL - OS 240 QUE PRENDERAM CAETANO' (Edição PÚBLICO - Lisboa 1999) - MUITO RARO



Portugal & Revolução - O '25 de Abril de 1974' - A revolução ilustrada com fotografias dos principais protagonistas do derrube do regime


'25 DE ABRIL - OS 240 QUE PRENDERAM CAETANO'
Edição do jornal 'PÚBLICO' - Lisboa 1999
Com 160 páginas, muito ilustrada e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.


Dedicada em exclusivo aos acontecimentos do 25 de Abril de 1974, que culminou com o derrube do regime ditatorial de Marcelo Caetano, dando particular destaque à coluna militar de Cavalaria, que da EPC de Santarém se dirigiu a Liosboa e ocupou a capital, com fotografias da época dos seus protagonistas e dos populares que então sairam aos milhares para a rua.


UM DOCUMENTO HISTÓRICO.


Do ÍNDICE:
25 DE ABRIL - OS 240 QUE PRENDERAM CAETANO - A coluna militar da EPC
As biografias - As histórias - A acção - A 2.ª coluna
O REENCONTRO DOS PROTAGONISTAS VINTE E CINCO ANOS DEPOIS
- EDITORIAL - Há 25 anos, 240 homens - José Manuel Fernandes;
- REVISTAÇÃO DOS LUGARES DA REVOLTA - Adelino Gomes;
- TODOS SAIRÃO, QUANDO SOUBEREM QUE A EPC SAIU... - João Fragoso Mendes;
- Plano Geral de Operações 'Viragem Histórica';
- Glossário;

A ACÇÃO
- DO 16 DE MARÇO AO 25 DE ABRIL - Ex-Alferes miliciano José Pedrosa de Oliveira;
- Antecedentes;
- CONSPIRAÇÃO NO QUARTO 27 - Ex-furriel miliciano Augusto Raposeiro;
- BLINDADOS DE CAVALARIA 7 FORAM UMA SURPRESA;
- DA BIBLIOTECA DA EPC AO LARGO DO CARMO - Ex-Alferes miliciano José Clímaco Pereira;
- "O SR. JÁ NÃO TELEFONA PARA LADO NENHUM!" - Capitão Garcia Correia;
- Tavares de Almeida: "SENTI QUE TÍNHAMOS GANHO QUANDO CHEGOU O GENERAL SPÍNOLA";
- A NOITE MAIS LONGA DA MINHA VIDA - Ex-Alferes miliciano Carlos Beato;
- OS PRIMEIROS DA COLUNA - Ex-Aspirante Augusto Calado de Oliveira;
- DOIS MESES A PREPARAR VIATURAS EM SEGREDO;
- "Têm caras de putos";
- A revolução em pijama; - Sporting 'versus' Magdeburgo; - O primeiro manifestante; - Disparar, como ?;
- ABEL, O ATIRADOR DO POVO - Ex-soldado Abel Azevedo;
- TODO O DIA NO AR COM RÁDIO PRIVATIVO - Ex-furriel miliciano João Ilharco;
- No terreiro do Paço; - No Carmo;
- SESTA NO TERREITO DO PAÇO - Ex-primeiro cabo Manuel Maiato Araújo;
- Antiportagem; - Em Pânico; - Um por todos, todos por um; - O carro de Tenreiro; - "Voltem para casa";
- Coronel Alfredo Assunção: "RESPONDERÍAMOS AO FOGO DAS FORÇAS DO REGIME";
- Como S. Tomé; - Salgueiro Maia; - De banana na boca; - Filhos surpreendidos;
- Coronel Rui Santos Silva: "O ÚNICO RESULTADO POSSÍVEL ERA A VITÓRIA";
- Diálogo e murros; - "Não se meta nisso!"; - Um relatório; - A caminho do Carmo; - Dispositivo no Carmo;
- UM MONÁRQUICO VAIDOSO DA SUA REVOLUÇÃO - Ex-instruendo CSM Vasco da Câmara Pereira;
- Entrevista em inglês; - Peixe espada frito;
- SAMPAIO, OFICIAL E DESOBEDIENTE - Ex-Aspirante miliciano José Manuel Sampaio;
- Chá e bolachas; - Comida do 2.º andar;
- SOUSA MENDES 'VINGADO' PELO NETO - Ex-cadete miliciano Francisco de Moncada de Sousa Mendes;
- UM 'ESTRANGEIRO' LIBERTADOR - Ex-Alferes Carlos Araújo;
- Perdidos a caminho da Estrela; - Falta de óleo; - Onde está o alvo ?; - Vontade de matar; - Arma avariada; - Duas cicatrizes;
- DE CANDEIA NA MÃO; MARCELO "MOSTROU MUITA DIGNIDADE" - Ex-furriel miliciano Manuel Correia da Silva;
- A ÚLTIMA CARGA DA POLÍCIA DE CHOQUE;
- REGRESSOS FORÇADOS A SANTARÉM - Ex-furriel António José Rodrigues;
- Com luzes emprestadas;
- Farda emprestada; - Queda para o sono;
- ÁLVARO, SENTADO NO CADEIRÃO PRESIDENCIAL - Ex-soldado Álvaro Graça;
- Escolta de Otelo;

A SEGUNDA COLUNA
- EPC tinha preparada uma segunda coluna
"NÃO HAVERIA OUTRO 16 DE MARÇO !" - Coronel Garcia Correia;O
- PROCLAMAÇÃO DISTRIBUÍDA EM SANTARÉM;

OS PERCURSOS
- Um militar de Abril pelas ruas, sem amargura
CARLOS REVIVE O SEU DIA DE GLÓRIA - Ex-soldado instruendo Carlos Amaral;
- Toda a vida educado como antifascista
FRANCISCO ESTAVA NO SÍTIO CERTO À HORA EXACTA - Ex-instruendo de CSM Francisco Ribeiro Telles
- Atirador no Carmo e espancado no regresso a Murça
ALFREDO, O REVOLUCIONÁRIO ACIDENTAL - Alfredo Nunes;
- Salgueiro Maia
O HERÓI DAS CAUSAS NOBRAS
- Ex-furriel morre em 1981 nu assalto
GUERREIRO NO CARMO, 'CARLOS' COM AS FP25 - Ex-Furriel miliciano António Guerreiro;
- Coluna sofreu 12 'baixas';
- Os faltosos; - Não encontrados;
- NOVO ENCONTRO DENTRO DE DOIS ANOS;

O RELATÓRIO
- Relatório de Salgueiro Maia
OPERAÇÃO FIM REGIME;
- 1. Situação; - 2. Missão; - 3. Execução; - 4. Administração e logística; - 5. Comando e transmissões; - 6. Diversos;




A COLUNA MILITAR DA EPC - Presentes no encontro (ordem alfabética do apelido):

A - Abrantes, Joaquim António Loureiro (instruendo CSM); Alexandre, Vítor Manuel Castela (Cabo miliciano); Almada, João Carlos Henriques Teixeira (Soldado); Almeida, Daniel da Silva (Primeiro cabo); Almeida, Luís Lopes de (Instruendo CSM); Almeida, Delfim Guimarães Tavares de (Coronel); Alves, Alfredo de Sá (Primeiro cabo); Amaral, Carlos Augusto Morgado (Instruendo CSM); António, Fernando Marques (Soldado); Araújo, Agostinho Alves de (Primeiro cabo); Araújo, Manuel Maria Maiato Raposo (Primeiro cabo); Assunção, Alfredo Correia de Mansilha (Coronel); Azevedo, Abel Maria Ferreira de (Soldado); Azevedo, Carlos da Silva (Soldado); Azevedo, João António Cristino Taveira (Cabo miliciano);

B - Baptista, Casimiro Silva (Instruendo CSM); Baptista, Manuel Freire (Soldado); Barbosa, Carlos Alberto Gama (Cadete COM); Barreto, António Sofio Carvalho (Instruendo CSM); Barroso, Manuel Ribeiro da Costa (Primeiro-cabo); Bastos, Carlos Jorge Gonçalves (Cadete COM); Beato, Carlos Vicente Morais (Alferes miliciano); Brilha, José Manuel Carapinha (Instruendo CSM);

C - Cabral, Carlos Graciliano de Melo (Furriel miliciano); Canelas, José António (Instruendo CSM); Cantante, Joaquim José Bento (Instruendo CSM); Cardoso, Custódio Manuel Lagarto (Cadete COM); Cardoso, Manuel Ribeiro (Tenente-coronel); Cardoso, Nélson Fernando Silva (Furriel miliciano); Carmona, João Manuel Gomes Pereira (Furriel miliciano); Carreira, Guilherme da Conceição (Primeiro cabo); Carvalho, José Lampreia (Furriel miliciano); Carvalho, Vítor Manuel Rodrigues (Furriel miliciano); Casinhas, Joaquim Monteiro (Cadete COM); Coelho, José Amílcar Carvalho (Cadete COM); Coelho, Silvestre (Soldado); Conceição, António Henrique da Silva (Soldado); Constantino, António Manuel Tainha (Furriel miliciano); Constantino, João Maria Figueiras (Instruendo CSM); Correia, Hélder Aniceto (Furriel miliciano); Costa, Álvaro Faria da (Instruendo CSM); Costa, Justiniano Manuel Sousa da (Primeiro cabo); Costa, Manuel Pimenta da (Primeiro cabo); Cruz, Manuel Carreira Bernardes da (Cadete COM);

D - Domingues, Luís Jorge Rodrigues (Instruendo CSM); Domingues, Victor Manuel Ferreira (Cadete COM); Duarte, Albertino Santos (Furriel miliciano);

F - Faro, Rui Manuel Gomes (Cadete COM); Fernandes, Fernando de Sousa (Instruendo CSM); Fernandes, Hélder Orlando de Jesus Barros (Cadete COM); Fernandes, José Deodato Ferreira (Primeiro cabo); Ferreira, Carlos Alberto da Costa (Instruendo CSM); Ferreira, Egídio Pinto (Soldado); Ferreira, Francisco Coelho (Instruendo CSM); Ferreira, Joaquim Bernardo (Soldado); Ferreira, Joaquim Ventura (Soldado); Ferreira, Luís (Soldado); Furtado, Artur Pereira (Primeiro cabo);

G - Gabriel, António Manuel Ribeiro (Instruendo CSM); Gaudêncio, Manuel Salvador (Cadete COM); Gomes, José Carlos Gaspar Martins (Instruendo CSM); Gomes, Maximino Lopes (Instruendo CSM); Gonçalves, Afonso Henrique (Primeiro cabo); Gonçalves, António Guilherme de Sousa (Instruendo CSM); Gonçalves, António Hermenegildo Nóbrega (Furriel miliciano); Gonçalves, Fausto José Pires Torres (Instruendo CSM); Gonçalves, José João Lourenço (Instruendo CSM); Graça, David Santos (Primeiro cabo); Graça, José Manuel Pinto (Tenente coronel);

H - Heitor, Manuel Nobre de Matos (Instruendo CSM); Hilário, Custódio Nunes (Soldado); Ilharco, João José Pinheiro da Costa (Furriel miliciano);

J - Jardim, Fernando de Sousa (Soldado); Jesus, Liberal Soares de (Primeiro cabo); Jesus, Martinho José Coelho de (Instruendo CSM);

L - Laranjeira, António José Leal dos Santos (Aspirante miliciano); Lebreiro, Paulo Jorge Villas-Boas (cabo miliciano); Leitão, César Morgado (Instruendo CSM); Leite, Alcides Leonel Teixeira Nunes (Instruendo CSM); Lemos, Augusto Duarte Sousa (Cadete COM); Lopes, Francisco Joaquim (Primeiro cabo); Lopes, Nelson Gonçalves (Cadete COM); Lopes, Vasco Ferreira Andrade (Instruendo CSM); Loureiro, Carlos Alberto Évora Maia de (Alferes miliciano); Lourenço, Orlando Miguel Ribeiro (Instruendo CSM); Louriceira, Humberto Neves (Soldado); Lutas, Custódio Manuel dos Santos (Furriel miliciano);

M - Macedo, Filipe Gonçalves de Sousa (Cadete COM); Machado, António Ventura (Instruendo CSM); Magalhães, José Vieira (Soldado); Marcelino, Miguel João de Oliveira Sequeira (Alferes); Marques, António Correia de Oliveira (Furriel miliciano); Marques, António Manuel Ferreira (Soldado), Marques, Francisco José Correia(Cadete COM); Martins, Maximino Ferreira (Primeiro cabo); Martins, Miguel (Primeiro cabo); Martins, Rogério Oliveira (Soldado); Mata, António José Nunes (cabo miliciano); Mata, Daniel Gomes (Instruendo CSM); Matos, José Maria Barnabé Guerreiro (Instruendo CSM); Matos, Júlio Oliveira de (Furriel miliciano); Medeiros, Luís Miguel de Negreiros Morais de (Tenente coronel); Mendes, Adaíl Lopes (Furriel miliciano); Mendes, Francisco Ressurreição (Instruendo CSM); Mendes, João Luís Severiano (Instruendo CSM); Mendonça, Fernando Manuel Meneses (Instruendo CSM); Moreira, Fernando Alberto Martins (Instruendo CSM); Moreira, José Fernandes Freire (Primeiro cabo); Moura, António Manuel Filipe de )Cadete COM); Moura, Carlos Manuel Piedade (Soldado);

N - Neto, António Malho Neves (Furriel miliciano); Nogueira, Arménio Augusto Cruz (Primeiro cabo); Nunes, Alfredo Manuel do Nascimento (Instruendo CSM); Nunes, Carlos Ribeiro (Primeiro cabo); Nunes, José Carlos Santa Aguilar (Cadete COM);

O - Oliveira, Agostinho da Silva (Soldado); Oliveira, António João Martins de (Furriel miliciano); Oliveira, Artur Martins (Cadete COM); Oliveira, Augusto José Caiado de (Aspirante); Oliveira, Jaime Bettencourt de (Instruendo CSM); Oliveira, João Gabriel Pereira de (Cadete COM); Oliveira, João Maria Mota de (Aspirante); Oliveira, José Afonso Pedrosa de (Alferes miliciano);

P - Palhinhas, Francisco José dos Santos (Cadete COM); Peniche, Victor Manuel Gomes (Instruendo CSM); Peralta, António Manuel Moreira (Instruendo CSM); Pereira, Armando Manuel Marques (Soldado); Pereira, Carlos alberto Gonçalves (Instruendo CSM); Pereira, José Joaquim de Jesus (Soldado); Pereira, José Manuel de Carvalho Clímaco (Alferes miliciano); Pereira, Manuel Jorge Henriques (Instruendo CSM); Pereira, Vasco Maria Pacheco da Câmara (Instruendo CSM); Pimpão, José Júlio Simões (Instruendo CSM); Pires, Humberto Fernando dos Santos (Instruendo CSM); Prates, António da Silva (Instruendo CSM); Proença, José Silveira (Instruendo CSM);

R - Ramito, Álvaro Manuel Graça Soares (Soldado); Raposeiro, Augusto Alberto Bento (Furriel miliciano); Ribeiro, Álvaro Cristiano Nunes (Instruendo CSM); Ribeiro, António Manuel (Alferes miliciano); Ribeiro, Avelino Castanho (Soldado); Rocha, Diogo Ventura (Instruendo CSM); Rodrigues, António José Alves (Furriel miliciano); Rodrigues, Luís filipe Carmonda (Furriel miliciano); Rodrigues, Mário (Tenente coronel);

S - Salvador, Luís Leonel Teixeira (Instruendo CSM); Sampaio, José António Freire Alves (Instruendo CSM); Sampaio, José Manuel Duarte (Aspirante); Santos, João José Baptista (Cadete COM); Santos, João Manuel Ramos dos (Instruendo CSM); Santos, Júlio Gabriel dos (Furriel miliciano); Saquete, José Manuel Leonardo (Instruendo CSM); Semião, Vítor Manuel Bento Coelho (Instruendo CSM); Sena, António José Mendes (Furriel miliciano); Serôdio, Fernando Manuel Conceição (Soldado); Silva, António Manuel Soares Marques da (Cadete COM); Silva, António Norberto Aleixo da (Instruendo CSM); Silva, António Sousa e (Tenente miliciano); Silva, Gaudêncio da (Soldado); Silva, Henrique Artur de Almeida Gonçalves da (Furriel miliciano); Silva, Jorge Manuel Pinto Bandeira da (Instruendo CSM); Silva, José Francisco Higino (Soldado); Silva, Manuel Augusto Correia da (Furriel miliciano); Silva, Manuel augusto da Costa Filhó (Cadete COM); Silva, Rui Borges Santos (Coronel); Silva, Sebastião José Martins de Castro (Furriel miliciano); Silveira, Ângelo Manuel Alpalhão (Instruendo CSM); Simas, António Francisco Guedes Patrício (Cadete COM); Simões, Augusto José Branco (Cadete COM); Simões, Feliciano Paulo Franco (Cabo miliciano); Soares, Egas Pereira Araújo (Instruendo CSM); Soldado, Jerónimo Antunes (Cadete COM); Sousa, Brás Rodrigues de (Instruendo CSM); Sousa, Manuel António Ribeiro Sevinate de (Furriel miliciano);

T - Tavares, António Luís Real (Instruendo CSM); Teimas, Amorim Manuel Ameixieira (Soldado); Teixeira, Natalino Fernandes (Instruendo CSM); Teles, Victor Manuel Martins (Instruendo CSM); Telles, Francisco Maria de Sousa Ribeiro (Instruendo CSM); Tomás, António José Raminho Filipe (Cabo miliciano); Tomás, Cândido Monteiro (Instruendo CSM); Travassos, José Morais (Instruendo CSM);

V - Vasconcelos, Eduardo luís de Sousa Ornelas e (Cabo miliciano); Vasques, António Carlos Espírito Santo (Instruendo CSM); Vicente, António José Santos (Instruendo CSM); Vicente, José Francisco Sousa (Soldado); Vieira, Carlos Manuel de Sousa (Soldado);

Elementos que faltaram:
- António Manuel Costa (Furriel miliciano); Augusto Vaz Machado (Soldado); Jaime Ferreira Fernandes (Instruendo CSM); João Ricardo Marques Serra (Instruendo CSM); Jorge Manuel Cardoso Costa Rolo (Instruendo CSM); José Alexandre Cunha Queirós (Instruendo CSM); José Tadeu Costa Monteiro (Instruendo CSM); Manuel de Sá Pinto (Primeiro cabo); Manuel Martins Teodoro (Primeiro cabo); Manuel Narciso Nicolau da Inês (Instruendo CSM); Óscar Seabra David (Alferes); Pedro Dinis Ricciardi (Aspirante); Valdemar António da Silva (Soldado); Vítor Manuel Morais Martins (Soldado); Vítor Manuel silva Viegas (Instruendo CSM).

Elementos não localizados:
- Abílio C. Rodrigues (Soldado); Alfredo B. Teixeira (Soldado); António C. L. Madeira (Soldado); António D. Lucas (Soldado); António M. L. Parracho (Soldado); António S. Saleiro (Soldado); Carlos M. Pereira (Soldado); David S. Mota (Soldado); Domingos F. M. Santos (Primeiro cabo); Francisco J. Ferreira (Soldado); Hermínio da Conceição Pinto (Soldado); Joaquim F. F. Ribeiro (Primeiro cabo); Joaquim M. Vicente (Soldado); Jorge G. Fernandes (Primeiro cabo); Jorge Manuel Rodrigues Bonito (Primeiro cabo); José L. Machado (Primeiro cabo); José L. Silva (Soldado); José M. D. Araújo (Primeiro cabo); Leonídio M. Pinto (Soldado); Manuel B. S. Coelho (Soldado); Manuel Brás (Soldado); Manuel F. C. Franco (Soldado); Manuel J. Alves (Soldado); Manuel N. Silva (Soldado); Manuel S. Oliveira (Soldado); Mário Alberto (Soldado); Pedro M. S. Branco (Primeiro cabo); Sérgio P. Couto (Soldado).


Preço: 60,00€