sábado, 29 de junho de 2019

Angola & Literatura Colonial - 'PRINCESA NEGRA', de Luiz Figueira - Coimbra 1932 - MUITO RARO;




Angola & Literatura Colonial - Uma obra de grande referência sobre as populações indígenas angolanas e além das informações de carácter antropológico há inúmeras informações históricas da resistência à ocupação colonial portuguesa


'PRINCESA NEGRA - O preço da civilização em África' (1.a edição)
De Luiz Figueira
Coimbra Esitora
Coimbra 1932


Livro com 432 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


O livro, é a 1ª Edição, muito rara e muito procurada de uma das obras mais marcantes da chamada literatura colonial, que foi galardoada com o 2º Prémio da 1ª categoria no Concurso de Literatura Colonial de 1933.

De estilo fácil e corrente o seu principal valor reside no testemunho, que o autor transmite com dramatismo e de forma movimentada, da vida dos colonos pobres em Angola, lutando por uma vida melhor em territórios durante muito tempo abandonados pela Administração Colonial do Estado. A moderna crítica realça também a sua visão inovadora das relações entre os colonos brancos e os povos nativos. Por último, de realçar que obra é enriquecida por um glossário das palavras de diversas línguas nativas usadas pelo autor.



Da Apresentação:
"NOVELA HISTÓRICA das lutas de ocupação, no último cartel de barbárie. A tribu dos bundas, seus usos, costumes, tradições. Paisagens africanas, aspectos da flora, fauna, os perigos da selva em África. História da revolta das tribus das Ganguelas em 1916. Episódios da vida isolada dos colonos, nos sertões incógnitos, uma das modalidades por onde mais paira a poalha dourada da economia angolana..."


O AUTOR:
LUIZ FIGUEIRA - Luís Maria Figueira (Lisboa 1898 - 1973).
Viveu muitos anos em Angola no Lobito onde foi comerciante e proprietário agrícola e distinguiu-se no jornalismo angolano. É autor de outro romance de temática angolana, 'MIRAGEM AFRICANA', de 1935.




Do ÍNDICE:

Apresentação
Dedicatória
PRÓLOGO

- Noite de carnaval
- Abalada
- Na terra dos Bundas
- Luanguinga... Recordando Silva Porto
Ligação fluvial com Vitória Falls
Suspeitando da revolta
- A insurreição dos gentios
O roubo, o incêndio, a morte
Razia bárbara
- O assalto à casa do pau a pique
- Pelas florestas e matas cerradas à aventura
- Peisioneiro dos Bundas...
A dança macabra...da guerra
- No supersticioso cemitério dos Bundas
- No covil do bando...
Quartel-General dos revoltosos
- Nós matos de Dála perigosa...
- O Deua da água ou dos rios
Passagem difícil
- No Lumãe...
Notícias da revolta
- A batalha do Luáti
- Batida a um acampamento dos revoltosos
Muêne-Pembe (Principe Carneiro) ferido e derrotado
- A caminho dos antros da revolta...
Retirada a tempo das terras de Muêne-Jimbo
No Reino da Princesa Negra
- Notícias da revolta vindas de Cangamba
O casamento da 'Princesa Negra'
A subida ao trono do seu consorte
- O batuque e sacrifício da entronização
- Um batuque inesperado dos 'bihópios'
- Episódios de assaltos e ataques
- Alastramento da revolta
- Fragmentos
- O meu regresso
- Decepção !
- À aventura como nas florestas de África
- ?... ?... ?...

GLOSSÁRIO



Preço: 120,00€;

ANGOLA & MPLA - 'MEMÓRIAS (1961 - 1971)' - Volume I - de Dino Matrosse - Luanda 2004 - RARO;





ANGOLA & MPLA - Da guerra de libertação à descolonização - Um relato dos acontecimentos que o autor viveu e testemunhou no percurso que levaria o país à independência


'MEMÓRIAS (1961 - 1971)' - Volume I
De Dino Matrosse
Edição Texto Editores
Luanda 2004


Livro com 552 páginas, muito ilustrado e como novo. Excelente.
De muito, muito difícil localização.
RARO.


Da contracapa:
"Ao longo da luta travada durante tantos anos, surgiram no seio do povo angolano feitos notáveis que simbolizaram actos de heroísmo é de bravura e que o mundo reconhece com elevado respeito, simpatia e admiração. Nasceram heróis neste passado de luta, de resistência à ocupação colonial, nasceram igualmente heróis durante os anos de luta pela salvaguarda da integridade territorial e contra as invasões estrangeiras, e este processo continuará, em defesa da nossa dignidade, liberdade e integridade, como um povo livre e independente.
Hoje, olhando para a época a que nós iremos reportar, concluímos que os anos passaram muito rapidamente, afastando cada vez mais a imagem da realidade colonial, repressiva, sanguinária é desumana, daquela que a sociedade angolana dos tempos actuais patenteia."



Da badana:
"DINO MATROSSE
Filho de Mateus Paulo e de Isabel Francisco Neto, nascido a 30 de Dezembro de 1942 na província do Bengo, concluiu o ensino primário e preparatório anual para admissão aos Liceus na Escola de S. Paulo e S. Domingos em Luanda, tendo entre 1958 e 1962 frequentado o ensino secundário na Ex-Escola Industrial de Luanda, actual Makarenho.

Com o início da luta armada

Em 1965

Em 1968

Após a proclamação da independência

Em 2011, nas comemorações do 55. aniversário do MPLA,

Em representação do MPLA, pelas primeira vez em Atenas, na Grécia, foi eleito para o colégio de Vice-Presidentes da Internacional Socialista, em Congresso dessa organização realizado de 20 de Junho a 2 de Julho de 2008, e reeleito no mesmo cargo no Congresso seguinte, realizado de 30 de Agosto a 1 de Setembro de 2012 na cidade do Cabo, na África do Sul.

Em Dezembro de 2003, no V Congresso do MPLA, foi reeleito membro do Comité Central e do Bureau Político e, simultaneamente eleito Secretário-Geral do MPLA, cargo que continua a exercer presentemente."




Do ÍNDICE:

INTRODUÇÃO
PREFÁCIO
Pela Dr.a Nicásia Casimiro Matias

CAPÍTULO 1
A FUGA PARA O EXTERIOR DO PAÍS E A INTEGRAÇÃO NO MPLA-MOVIMENTO
- O 4 de Fevereiro de 1961
- A fuga para o Congo-Léopoldeville
- A integração no MPLA-Movimento após o início da luta armada de libertação nacional (1961-1963)

CAPÍTULO 2
A ABERTURA DA FRENTE LESTE (3.a REGIÃO POLÍTICO-MILITAR)
- Antecedentes
- Dificuldades no estabelecimento da representação do MPLA em Lusaka-Zâmbia
- O plano de abertura da 3.a Região Politico-Militar
- Novas acções, novas missões
- Operação Relâmpago - o primeiro carregamento de armas para o interior da 3.a Região Político-Militar
- A chegada ao interior de Angola - Abril de 1966
A oficina-auto de apoio à Frente Leste
- A entrada dos primeiros 41 guerrilheiros do MPLA no interior da 3.a Região Político-Militar
- O primeiro combate na Frente Leste - 18 de Maio de 1966
- O segundo combate na Frente Leste - 24 de Maio de 1966
- As organizações sociais e filantrópicas do MPLA
- Antecedentes históricos dos serviços de saúde militar ligados à luta de libertação nacional (1961-1971)
O CVAAR
OS SAM
- A importância dos Centros de Instrução Revolucionária - CIR
- O reforço da Frente Leste com novos quadros forjados nas 1.a e 2.a Regiões Político-Militar
- O incidente de Kitwe e a prisão de dirigentes do MPLA-Mocimento na Zâmbia
- A morte em combate do Comandante Hoji-Ya-Henda
- O apelo do Presidente Agostinho Neto - "Todos para o interior" e a generalização da luta armada
- A primeira Assembleia da Frente Leste - 23 a 25 de Agosto de 1968
Um incidente inesperado

CAPÍTULO 3
A ABERTURA DA 5.a REGIÃO POLÍTICO-MILITAR
- A extensão da luta e a abertura da zona F
- A longa caminhada da Zâmbia até às províncias do Kuando Kubango e do Bié
Um exemplo de solidariedade
Uma pequena celebração
Um aniversário à distância
- A divisão das colunas em progressão para a 5.a Região
- A constante confiança do povo ao longo da marcha
- Avizinhava-se o choque com o inimigo
- Novas dificuldades
- Notícias das transformações políticas no exterior
- À conquista do sector 6
- Sucedem-se os combates e vários eventos
31 de Outubro de 1969
1 de Novembro de 1969
2 de Novembro de 1969
2 de Novembro de 1969
Um incidente entre tropas portuguesas
- Concentração inimiga na área do Bié
- Aproximava-se o momento da partida para o interior
A visita de Rebocho Vaz a Alto Lomba e a partida para a Zona F (Kuando-Kubango)
Um caso de indisciplina
- A guerrilha avança, as dificuldades aumentam
- A retirada (estratégica) do guerreiro

CONCLUSÃO
ANEXOS
DOCUMENTOS



Preço: 0,00€; (Indisponível)

Moçambique & Colonialismo - 'SOFALA - O PRIMEIRO TEMPLO DA IGREJA CATÓLICA NA ÁFRICA ORIENTAL PORTUGUESA', de A. Santos Martins - Coimbra 2005 - RARO;



Moçambique & Colonialismo - A presença portuguesa e da Igreja católica no centro e norte desta antiga colónia portuguesa da África oriental


'SOFALA - O PRIMEIRO TEMPLO DA IGREJA CATÓLICA NA ÁFRICA ORIENTAL PORTUGUESA
(Quinto centenário 1505-2005)'

De A. Santos Martins
Edição do autor
Coimbra 2005


Livro com 110 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação. Como novo. Excelente.
De muito difícil localização.
RARO.


Da dedicatória:
"Em memória de Bensaúde Isolino Alves, um 'velhíssimo velho colono' natural do Porto, que durante décadas prestou serviço público em Moçambique, muito amou Portugal, os portugueses e os povos da antiga Província Ultramarina da África oriental, onde morreu pobre, muito pobre, mas feliz pelos exemplos de coragem, trabalho e honestidade que legou à sua descendência luso-moçambicana - e adorado pelas gentes negras da terra ardente de Tete, no Alto Zambeze, onde acabou sepultado."


Da contracapa:
"ARMANDO DOS SANTOS MARTINS (A. Santos Martins), nasceu em Coimbra a 22 de Março de 1944, de pais beirões com raízes nos contrafortes da Serra da Estrela e no baixo Mondego. Foi aluno Salesiano.

Jornalista e historiador, estudioso da expansão portuguesa no Índico, tem muitos trabalhos publicados sobre Moçambique - para onde viajou, integrado nas forças expedicionárias em 1963 e onde se iniciou como profissional da imprensa (e Rádio) em 1967 ('NOTÍCIAS' de Lourenço Marques).

Já depois de desmobilizado, e como correspondente de guerra, acompanhou tropas especiais em combate nas zonas de conflito de Cabo Delgado, Niassa e Tete. Regressou a Portugal em 1976, integrando nesse ano os quadros do 'DIÁRIO DE COIMBRA'. Fundou e dirigiu na sua cidade natal o semanário 'JORNAL DO VALE DO MONDEGO'. Em 'O COMÉRCIO DO PORTO', onde trabalhou entre 1977 e 1979, exerceu funções de chefia e direcção.

Já neste ano de 2005 foram editados três dos seus livros: - 'HISTÓRIA DA CASA DO MINHO' (segundo volume); 'SANTA MARIA LÚCIA DE JESUS E DO CORAÇÃO IMACULADO'; e 'OS 5 PAPAS QUE PERIGRINARAM EM PORTUGAL'."




Do ÍNDICE:

ABERTURA (E provocação)

I
A lendária Sofala

II
O Islão estava lá...

III
A primeira capitania portuguesa em Moçambique

IV
Pêro da Covilhã

V
Quem era Pêro de Anaia

VI
A primeira Igreja católica da África oriental portuguesa

VII
O carpinteiro (degradado) que 'descobriu' o Monomotapa

VIII
Os primeiros missionários

IX
D. Gonçalo da Silveira, promártir da Igreja católica na África Austral

X
O gentio de Sofala
(e outras terras onde os portugueses chegaram ainda no século XVI)

XI
Monomocaias fizeram ruir a Fortaleza e a sua capela

XII
A 50km de Sofala nasceu a 'Cidade do Futuro' (BEIRA)

XIII
O desenvolvimento humano, económico e social do interior

XIV
os 'luxos' que havia em 1975 na última Missão de Sofala



Preço: 27,50€;

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Angola & Portugal - Literatura neo-realista - 'IMPRENSA REGIONAL E O NEO-REALISMO', AAVV - Lisboa 2014 - Raro;



Angola & Portugal - Literatura neo-realista - Destaque para dois excelentes e muito completos textos dedicados às publicações IMBONDEIRO entre outros temas


'IMPRENSA REGIONAL E NEO-REALISMO'
AAVV
Edições Colibri
Lisboa 2014


Livro com 354 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.


Em destaques, sobre a literatura angolana do período colonial, esta obra edita dois excepcionais trabalhos dedicados às Publicações IMBONDEIRO, da autoria de Leonel Cosme e António Augusto Sales, onde é feita uma resenha histórica e cronológica das acções editoriais que tiveram lugar entre os anos 69 e 70 no sul de Angola, em Sá da Bandeira.

E ainda, uma pesquisa sobre uma editora localizada em Tomar, a 'NOVA REALIDADE', nos finais dos anos 50 e meados doa década de setenta, com a corajosa edição de várias obras ditas proibidas pela censura e repressão do regime do Estado Novo.



Do ÍNDICE:

1. IMPRENSA REGIONAL E NEO-REALISMO
- Apresentação
António Gomes Marques
- Publicações d'A IMPRENSA PERIÓDICA NA GÉNESE DO MOVIMENTO NEO-REALISTA (1933-1945)
Direcção de NOVA SÍNTESE
- Novas incursões Neo-Realistas por V. N. Famalicão
Amadeu Gonçalves
- A PLANÍCIE: pluralidade e 'Convívio' num jornal do Alentejo
Alberto Franco
- António Vicente Campinas e o 'Doz do Guadiana'
Maria João Raminhos Duarte
- Um 'MENSAGEIRO' que anuncia uma 'boa nova'
António Mota Redol
- 'IMBONDEIRO' e o Neo-Realismo em Angola
Leonel Cosme
- PUBLICAÇÕES IMBONDEIRO e sua importância na Literatura portuguesa dos anos 60, do século XX
António Augusto Sales
- O Neo-Realismo nos suplementos culturais da imprensa regional.
- Os casos de COMPANHA e INDEPENDÊNCIA LITERÁRIA
Carlos Braga
- O suplemento do jornal BADALADAS
António Augusto Sales
- Dois projectos de Dinamização Cultural: 'LABAREDA' e 'NOVA REALIDADE'
Manuel G. Simões
- 'NOTÍCIAS DA AMADORA': intervir pela palavra na 'luta a favor dos outros'
Orlando César
- De relance: os anos 60 e os Encontros da Imprensa Cultural
Arsénio Mota
- Noite e Nevoeiro - Reflexão e notas sobre os 'Encontros dos Suplementos e Páginas Culturais da Imprensa Regional'
Carlos Loures
- Edição na província: livros marxistas e antifascistas antes do 25 de Abril (fora de Lisboa e do Porto)
Flamarion Maués
- Editoras que publicaram textos do Neo-Realismo, sediadas em localidades que não sejam Lisboa e Porto
António Mota Redol

2. NO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE JOAQUIM NAMORADO (2014)
- Memória de Joaquim Namorado
Rui Namorado
- Dois poetas de Navegações e Futuro - Joaquim Namorado
Maria Filomena Campos

3. ACTIVIDADES DA ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO MUSEU DO NEO-REALISMO
- Relatório de Actividades da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo em 2014


Preço: 47,50€;

Angola - Da História & da Literatura - 'OBRA AO BRANCO - Estudo de historiografia angolana', de António Faria - Lisboa 2002 - RARO;



Angola - Da História & da Literatura - Estudo histórico sobre a poesia e a acção pessoal do poeta angolano Ernesto Lara Filho e a cidade do Huambo-Nova Lisboa


'OBRA AO BRANCO - Estudo de historiografia angolana'
De António Faria
Edição Universitária Editora
Lisboa 2002


Livro com 192 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
RARO.


Da contracapa:
"Da 'OBRA AO BRANCO'
Essa pergunta tantas vezes dita com angustiada incerteza na intimidade das paredes, sussurrada à mesa ou ao balcão das lojas, proferida nas caminhadas pelas veredas periféricas sob todas as estrelas do sul até que os cães se calavam preparando-se para comer os mortos insepultos e o universo se despojava das sombras sem regresso, hesitando na neblina aconchegada entre os rios, entre o crepúsculo e a aurora e, na expectativa do dia, a terra se transfigurava pela luz de todas as cores e um esplendor branco de silêncio, feio, essencial, se erguia nas asas da água sobre o planalto sem fim como a consciência súbita numa alma em pedra virgem, que desponta: que fazer?"




Do ÍNDICE:

Dedicatória
PREFÁCIO - Ana Maria Mão-de-Ferro-Martinho
Nota Prévia

UM FUTURO PASSADO
A CIDADE
REFERÉNCIAS BIO-LITERÁRIAS
A CURTA E SAUDOSA EXISTÊNCIA DE ERNESTO LARA FILHO
ÁFRICA NA EUROPA
'O CANTO DO MARTRINDINDE': ESTRANHA PROSA
'O CANTO DO MARTRINDINDE': O ÚLTIMO CANTO
SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DA POESIA ANGOLANA: PROSA DA INTEGRAÇÃO DAS ALMAS
CONCLUSÃO

BIBLIOGRAFIA
Fontes
Monografias

APÊNDICE DOCUMENTAL
- Subsídios para o estudo da poesia angolana - De Ernesto Lara Filho (Nova Lisboa 1964);
- O CANTO DE MARTINDINDE - De Ernesto Lara Filho;
- Portaria n. 1,040 (1912);
- Portaria n. 1,086 (1912);
- Limites da circunscrição civil do Huambo, estabelecidas pela Portaria, n. 1,062 (1912);
- Auto da Inauguração da cidade do Huambo;
- Carta orgânica de Angola, que dá à cidade do Huambo o nome de Nova Lisboa (1928);



Preço: 32,50€;

Angola - África & Igreja - 'UM JUDEU - Salvador da raça preta', de Henrique Alves, António Bràsio e Agostinho de Moura - Viana do Castelo 1939 - MUITO RARO;




Angola - África & Igreja - A vida e obra missionária de Francisco Libermann, do judaísmo à evangelização da fé cristã em África e na Oceânia


'UM JUDEU... - Salvador da raça preta'
De Henrique Alves, António Bràsio e Agostinho de Moura
Prefácio de D. Moisés Alves de Pinho (Bispo de Angola e Congo)
Edição de 'Entre nós'
Viana do Castelo 1939


Livro com 212 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Do PREFÁCIO:
"Grande foi a minha satisfação ao saber da bem inspiradora iniciativa duma publicação, destinada a tornar mais conhecida entre nós a vida, a doutrina e a obra do Venerável Francisco Maria Paulo Libermann, tan fecundas em ensinos sobremaneira preciosos e oportunos.

Nascido e educado no judaísmo, dominado por fortes e profundas prevenções contra a fé cristã, converte-se em circunstâncias que dão extraordinário relevo ao triunfo da graça divina e recordam a prodigiosa transformação operado na alma de S. Paulo no caminho de Damasco: ambos passam subitamente a adorar e a amar Aquele a quem combatiam (...)

D. Moisés Alves de Pinho
Bispo de Angola e Congo"



Do ÍNDICE:

PREFÁCIO
De D. Moisés Alves Pinho (Bispo de Angola e Congo)

Primeira parte
ESBOÇO BIOGRÁFICO
I - Do judaísmo ao catolicismo (1802-1826)
II - ...Ad altare Dei! (1827-1828)
III - Pertinácia heróica (1829-1837)
IV - A actividade prodigiosa dum Minorista (1837-1840)
V - A tebaida de la Neucille (1841)
VI - Largada Missionária
VII - Morte do Justo (1852)

EPÍLOGO:
A projecção da obra de Libermann
Em territórios de Portugal


Segunda parte
ANTOLOGIA DAS CARTAS DO VEN. LIBERMANN
À maneira de introdução

- Cartas a Seminaristas
- Cartas a Leigos


Preço: 52,50€;

Portugal & PREC - 'O 11 DE MARÇO - Peças de um processo', de Guilherme Alpoim Calvão e Jaime Nogueira Pinto - Lisboa 1995 - MUITO RARO;




Portugal & PREC - O processo alusivo aos acontecimento de 11 de Março de 1975 e às detenções de alguns dos participantes e a sua defesa e acusações


'O 11 DE MARÇO - Peças de um processo'
De Guilherme Alpoim Calvão e Jaime Nogueira Pinto
Editora FUTURO PRESENTE
Lisboa 1995


Livro com 136 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.



Do ÍNDICE:

NOTA DO EDITOR
PREFÁCIO - De Jaime Nogueira Pinto e Alpoim Calvão

PROCESSO n. 12/76 (275)
Despacho de instrução - Juíz instrutor: Dr. Saraiva Coelho

S.P.J.M.
PROC. N. 11/76
Requerimento de Guilherme Almor de Alpoim Calvão

CRONOLOGIA DE ACONTECIMENTOS IMPORTANTES
Entre 25/04/74 e 11/03/75

DOCUMENTO ENTREGUE AO ALM. PINHEIRO DE AZEVEDO
Em Junho de 1974

DOCUMENTO 'ENGRÁCIA ANTUNES / HUGO DOS SANTOS'
Forças Armadas Portuguesas

MANIFESTO LANÇADO DE AVIÃO SOBRE LISBOA
Em 11 de Março de 1975

OUTRAS DECLARAÇÕES AOS AUTOS DO PROCESSO DO 11 DE MARÇO
- General Francisco da Costa Gomes (31.08.76);
- Tenente-coronel Carlos Azeredo (12.10.76);
- Dr. Proença de Carvalho (Declaração nos autos de 27.10.75);
- Tenente-coronel Sacramento Marques ((Declarações nos autos em 11.12.75);
- Coronel Carlos Fabião (Idem 4.2.76);
- Major Sousa e Castro (5.2.76);
- Tenente-coronel Canto e Castro (14.4.76);
- Tenente-coronel Costa Brás (12.2.76);
- Capitão Alberto António Ferreira (30.9.76);
- Tenente-coronel Leal Esteves (7.10.76);

CONSELHO DA REVOLUÇÃO

DEPOIMENTOS EM LIVROS E ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
- Declarações do Dr. Mário Soares;
- Participação da 5.a Divisão à Comissão de Inquérito;
OUTRAS DECLARAÇÕES
- Marechal Costa Gomes;
- Dr. Álvaro Cunhal;
- Salgueiro Maia (Março de 1975)
'Os dias contados do capital'
- Otelo Saraiva de Carvalho;

ÍNDICE ONOMÁSTICO


Preço: 32,50€;

Portugal - Do Estado Novo ao 25 de Abril de 1974 - 'ACUSO MARCELO CAETANO', de E. Freitas da Costa - Lisboa 1975 - Raro;



Portugal - Do Estado Novo ao 25 de Abril de 1974 -


'ACUSO MARCELO CAETANO'
De E. Freitas da Costa
Edição Liber
Lisboa 1975


Livro com 132 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.


Da contracapa:
"Existem já algumas peças fundamentais para análise do processo histórico desencadeado em 25 de Abril de 1974: mas faltava até agora um 'relatório', embora breve, sobre o que, no regime derrubado pelo golpe militar daquele dia, tornou este inevitável e imparável.

À intenção de remediar essa falta obedece a publicação do presente volume. É certo que o autor tem posição política bem definida (e que não esconde), com a qual o editor se não solidariza de todo: afigurou-se-lhe porém que, tanto a massa de informação acumulada neste documento como a científica preocupação de objectividade havida na narração dos factos, como ainda a sua bem explícita forma, tornavam o texto - independentemente do repúdio ou do aplauso que possam merecer certas opiniões ou determinados pontos de vista - um libelo impressionante e implacável para o julgamento da agressão conduzida por Marcelo Caetano ao Povo Português e à sua história. O autor conclui assim a 'Breve explicação de ordem estritamente pessoal' com que abre o livro:

'Condenado, há muitos anos, a posições claras e conscientes de oposição às orientações políticas no meu país - voto contra, mais uma vez: Voto contra Marcelo Caetano. Tentarei explicar porquê'. Ao leitor seguramente não ficarão dúvidas, terminado o volume, quanto à validade e à justiça desse voto.

O Editor

'HIPÓTESE DE TRABALHO' deste ensaio curiosissimo: Caetano teria entregue o país a Spinola com o fim de regressar mais tarde ao Poder."


Obras do Autor:
- 'TESTAMENTO DA EUROPA', 1942 (Livraria Clássica Editora);
- 'O "PRÍNCIPE" E O "NOVO PRÍNCIPE"', 1943 (Instituto de Estudos Italianos de Lisboa);
- 'FERNANDO PESSOA - Notas a uma biografia romanceada', 1950 (Guimarães & C.a Editores);
- 'O PINTOR PORTUGUÊS VELAZQUEZ DA SILVA', 1957 (Edições Panorama);
- 'UM PRÍNCIPE PORTUGUÊS PINTADO POR VELAZQUEZ DA SILVA', 1960 (Edição do autor);
- 'FERNANDO PESSOA - Páginas de doutrina' (Organização e Introdução), 1960 (Edições Panorama);
- 'QUASE HISTÓRIA', 1961 (Edições Panorama);
- 'PARA UM RETRATO DE SALAZAR' (organização e prefácio), 1971 (Edição privada);
- 'MANIFESTO DE PORTUGAL', 1973 (Edição do autor);



Do ÍNDICE:

Breve explicação de ordem estritamente pessoal
INTRODUÇÃO: O grande responsável

1.a PARTE
A INSIDIOSA ESCALADA DO PODER

Capítulo I - UMA CARREIRA 'REACCIONÁRIA'
- A segunda geração integralista
- A 'Ordem Nova'
- A Ditadura Nacional

Capítulo II - A TENTAÇÃO 'FASCISTA'
- O 'tranpolim' das botas altas
- O divisionismo marcelista
- Na presidência do Conselho

Capítulo III - O CAMINHO 'OPORTUNISTA'
- O assalto à informação
- Tentativas de assalto ao poder
- Recuo para o salto

2.a PARTE
AMBIÇÃO REALIZADA

Capítulo IV - BASE DE PARTIDA
- Acertos e erros do regime
- Os últimos anos de governo 'salazarista'
- O '28 de Setembro' de 1968

Capítulo V - 'EVOLUÇÃO NA CONTINUIDADE'
- Evolução contra a corrente
- Desagregação das estruturas
- Involução sem continuidade

Capítulo VI - A ATRACÇÃO DO ABISMO
- Indecisão doutrinária
- Aberturas incontroladas
- Clima de desintegração

3.a PARTE
O COLAPSO INEVITÁVEL

Capítulo VII - DERROCADA MORTAL
- Oportunismo demagógico
- Deterioração dos princípios
- Infiltrações de nepotismo e corrupção

Capítulo VIII - DERROCADA ECONÓMICA
- Plutocracia desenfreada
- Inflação galopante
- Esclerose e desorientação

Capítulo IX - DERROCADA SOCIAL
- Contestação estudantil e laboral
- O oportunismo desemboca na anarquia
- A subversão das estruturas

Conclusão do processo: o '25 de Abril de74'
O golpe de misericórdia: o '28 de Setembro de 74'
NOTAS


Preço: 27,50€;

Portugal & Estado Novo - 'EU FUI COMUNISTA', de Carlos de Oliveira - Lisboa 1949 - MUITO RARO;




Portugal & Estado Novo - A história, contada pelo próprio, da ruptura com o Partido Comunista Português e a adesão ao regime e às actividades políticas do partido único, a União Nacional


'EU FUI COMUNISTA'
De Carlos de Oliveira
Edições Escolas Oficinais de São Carlos
Lisboa 1949


Livro com 100 páginas, ilustrado e em bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.



Do ÍNDICE:

NOTA EXPLICATIVA

INTRODUÇÃO
- A ACTUALIDADE PORTUGUESA
"O Caranguejo"

- DESACORDO ENTRE GENERAIS

Campanha de África
ALGUMAS PASSAGENS DE ALVES ROÇADAS SOBRE AS OPERAÇÕES DO SEU COMANDO
A ORGANIZAÇÃO DO CORPO EXPEDICIONÁRIO E OS SEUS DEFEITOS
O GOVERNO DÁ ORDENS IMPOSSÍVEIS DE REREM CUMPRIDAS

OS SR.S DE. LUÍS CEBOLA E ROCHA MARTINS DENTRO DA SALADEIRA RUSSA

A ORGÂNICA DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS


I PARTE
DO COMUNISMO AO CRISTIANISMO

Capítulo I
Infância e adolescência

Capítulo II
À deriva

Capítulo III
Após o 28 de Maio

Capítulo IV
Sempre a resvalar...

Capítulo V
Em pleno comunismo




Preço: 27,50€;

Portugal & Colonias - 'A UNIVERSIDADE E O ULTRAMAR', de Dr. Xavier Pintado - Lisboa 1962 - RARO;



Portugal & Colonias - Uma analise sobre a Universidade e o ensino superior nas diversas províncias ultramarinas portuguesas


'A UNIVERSIDADE E O ULTRAMAR'
De Dr. Xavier Pintado
Edição do jornal ENCONTRO
Lisboa 1962


Livro 28 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
RARO.


Do ÍNDICE:

AS EXIGÊNCIAS DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL CONTEMPORÂNEA E O NOVO TIPO DE ELITE DOMINANTE

A UNIVERSIDADE PORTUGUESA ANTE A NECESSIDADE DUMA REVISÃO DA SUA ESTRUTURA

IMPLICAÇÕES DE UMA CONCEPÇÃO

O CONFLITO DE DUAS PREOCUPAÇÕES

AS FUNÇÕES DA UNIVERSIDADE
a) Formação cultural
b) A preparação profissional
c) A Universidade e a Investigação

Nota Final
NOTAS


Preço: 10,00€;

Guerra Colonial & Ultramar - 'ESTRATÉGIA ESTRUTURAL PORTUGUESA', de Silvino Silvério Marques - Lisboa 1969 - RARO;



Guerra Colonial & Ultramar - Análise do dispositivo militar português nas colónias africanas onde se registaram conflitos armados com os respectivos nacionalistas (Angola, Guiné e Moçambique)


'ESTRATÉGIA ESTRUTURAL PORTUGUESA'
De Silvino Silvério Marques
Edição da Revista de Defesa Nacional
Lisboa 1969


Livro com 32 páginas, em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
RARO.



Do ÍNDICE:

Abertura

I
CARACTERÍSTICAS GEO-ESTRATÉGICAS E ESTRUTURA POLITICO ADMINISTRATIVA DA NAÇÃO

1. Descontinuidade e heterogenidade
2. Livre acesso. Integração económica
3. Contradições da estrutura político-administrativa actual

II
NOVO CONCEITO PARA A ESTRUTURA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DA NAÇÃO

1. Evolução possível
2. Tese unitária
3. Execução da solução unitária quanto ao executivo e ao judicial
4. Execução da solução unitária quanto ao legislativo
5. Nomeações para os novos altos cargos
6. Confronco da nova concepção com a situação actual
7. Evolução da concepção unitária

III
POLÍTICA, ESTRATÉGIA E SOBREVIVÊNCIA NACIONAL

1. Sobrevivência nacional
2. Condução da estratégia nacional

IV
CONCLUSÃO

1. Ponderações finais
2. Síntese


Preço: 15,00€;

Angola & Guerra Colonial - 'A GRANDE BURLA', de Freire de Andrade - Lisboa 1974 - Raro;



Angola & Guerra Colonial - Um relato na primeira pessoa da experiência traumática da guerra, vivida pelo autor nesta antiga colónia portuguesa da África ocidental


'A GRANDE BURLA'
De Freire de Andrade
Edição Seara Nova
Lisboa 1974


Livro com 120 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.


Da Apresentação:
"Escrito no ano de 1964, no Nambuangongo, é este livro dedicado a todos os que caíram no campo da honra, para não mais se levantarem, como heróis sacrificados a uma causa iníqua, em proveito de sinistros e inconfessáveis propósitos.

Foram quatro os que caíram, nesse dia.
De entre os quatro, um chamava-se Prudente.
Mas, prudente só de nome, tão valente e generoso era o seu carácter, como grande a sua alma. Ouvi os tiros com que foram derrubados.
Alguém há-de pagar por isso..."



Do ÍNDICE:

I
PRIMEIRO DIA NO HOSPITAL

II
SEGUNDO DIA NO HOSPITAL

III
TERCEIRO DIA NO HOSPITAL

IV
QUARTO DIA NO HOSPITAL

V
QUINTO DIA NO HOSPITAL

VI
SEXTO DIA NO HOSPITAL

VII
ÚLTIMO DIA NO HOSPITAL


Preço: 12,50€;

Colonialismo & Ultramar - 'MISSIONÁRIOS E POLÍTICA', de A. da Silva Rego - Lisboa 1972 - Raro;



Colonialismo & Ultramar - Estudo sobre o papel dos missionários na colonização nacional


'MISSIONÁRIOS E POLÍTICA'
De A. da Silva Rego
Edição da revista ULTRAMAR
Lisboa 1972


Livro com 12 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.



Do ÍNDICE:

1. INTRODUÇÃO
2. RELAÇÕES ENTRE A IGREJA E O ESTADO
3. O EXEMPLO DO PADROADO PORTUGUÊS DO ORIENTE
4. O ACORDO E O ESTATUTO MISSIONÁRIOS
5. OS MISSIONÁRIOS, TANTO PORTUGUESES COMO ESTRANGEIROS
6. CONCLUSÃO


Preço: 7,50€;

domingo, 23 de junho de 2019

Angola, Moçambique & Literatura - LOTE DE 3 LIVROS - De Castro Soromenho - Lisboa 1944, 1965 e 1966 - Muito raros;





Ultramar - Moçambique, Angola & Literatura - Três magníficas obras deste grande escritor português, moçambicano, angolano, africano de grande raridade


- LOTE DE 3 LIVROS - De Castro Soromenho -
1. - 'A EXPEDIÇÁO AO PAÍS DO OIRO BRANCO' - Lisboa 1944
2. - 'NOITE DE ANGÚSTIA' - Lisboa 1965
3. - 'HOMENS SEM CAMINHO' - Lisboa 1966




1. - 'A EXPEDIÇÃO AO PAÍS DO OIRO BRANCO' - (37,50€;)
De Castro Soromenho
Livraria Clássica Editora
Lisboa 1944

Livro 232 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.

Do ÍNDICE:
Capítulo I
"PORTUGAL ESTÁ MUITO LONGE" - Os colonos de Sena e a Lei do mais forte - Brancos e negros no sertão - Os régulos e a escravatura;
Capítulo II
UM EXPLORADOR LUSO-BRASILEIRO ENTRE CAFRES BRANCOS E NEGROS - Na velha fortaleza de Sena - Fala-se na travessia de África e no Reino de Cazembe;
Capítulo III
O EXPLORADOR DE SERTÕES BRASILEIROS E O PROJECTO DA TRAVESSIA DE ÁFRICA, LIGANDO MOÇAMBIQUE A ANGOLA POR UMA ESTRADA IMPERIAL - A Europa começa a interessar-se pela África - O sonho de um grande império português no mundo dos negros;
Capítulo IV
A VILA DE TETE E OS SEUS MORADORES - Os régulos não respeitavam as terras da Coroa - Um país sem Lei - As primeiras notícias do Império do Oiro branco;
Capítulo V
UM 'PRÁTICO DO MATO' E A SUA VIAGEM ÀS TERRAS DO CAZEMBE - Chegada a Tete de uma Embaixada do Rei Cazembe - Comércio de marfim e de escravos - O 'CAMINHO DE ANGOLA';
Capítulo VI
AVENTUREIROS DE TRAZER POR CASA... - Os indígenas e a organização da Expedição - A tropa de 'cafres fardados' - Os expedicionários - Morre a mulher do explorador -
Capítulo VII
O TESTAMENTO DO EXPLORADOR - A largada da expedição de abertura do 'Caminho de Angola' - Rumo ao país do oiro branco;
Capítulo VIII
OS PRIMEIROS DIAS DA JORNADA - A fuga de cafres - Oficiais que não vigiam e carregadores que se esquecem do tempo... - O explorador rodeado de inimigos - Um sonho que não pode morrer - A caminho dos pais dos Marraves;
Capítulo IX
NO PAÍS DOS MARRAVES - O salvo-conduto dos chefes indígenas - A fuga de carregadores e o auxílio dos Marraves à expedição - O feitiço dos viajantes... - A terra, a gente e as aldeias do régulo Bive;
Capítulo X
O EXPLORADOR ÀS ORDENS DOS CAFRES - O medo do sertão - Num país de ladrões - A máscara do medo e a revolta dos carregadores - A traição de um expedicionário;
Capítulo XI
UM PRÍNCIPE NEGRO ARVORADO EM PROTECTOR DA EXPEDIÇÃO - Rivalidade entre os protectores de Lacerda de Almeida - Os Marraves assaltam a comitiva e agridem negros e brancos - Muízas antropófagos ao serviço da expedição - O explorador está gravemente doente - Num país pobre de ladrões, a expedição luta com falta de mantimentos - Nas terras do régulo Mucanda, o terror dos colonos dos rios de Sena;
Capítulo XII
NO PAÍS DAS MULHERES NUAS - Os Tumbucas, um povo que ama a terra que não é sua - Caperemera, 'o valoroso' - Negócio de escravos e marfim - Como os naturais caçam o elefante - Acabou o reinado dos cafres... - Uma aldeia de bebados - Por terras de fome e sede, em demanda do rio Arruangua;"
Capítulo XIII
ATRAVÉS DE UM PAÍS DE ANTROPÓFAGOS - A festa de 'Levantar Pombe' - Um régulo doido e poderoso - Por terras de sol e frio - A expedição chega ao rio Zambeze;
Capítulo XIV
NAS TERRAS DE ALÉM ZAMBEZE - Os Muízas e o comércio do marfim - O estado de saúde de Lacerda e Almeida agrava-se de dia para dia - Uma aldeia ornada com caveiras humanas - A última observação astronômica - A primeira aldeia de Cazembes - Em marcha para o Zimboé do Rei Cazembe;
Capítulo XV
ÀS PORTAS DO ZIMBOÉ DE CAZEMBE - A homenagem aos reis mortos - Na aldeia do Rei - O explorador está moribundo - O seu testamento - A agonia e a morte de Lacerda de Almeida - O novo comandante da expedição - As intrigas dos expedicionários e a impossibilidade de se Abr o 'Caminho de Angola' - O regresso a Tete da expedição perdida;

2. - 'NOITE DE ANGÚSTIA' - (27,50€;)
De Castro Soromenho
Capa de Victorino Martins
Editora Ulisseia
Lisboa 1965

Livro com 160 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.


3. - 'HOMENS SEM CAMINHO' - (25,00€;)
De Castro Soromenho
Capa de Rocha de Sousa
Editora Ulisseia
Lisboa 1966

Livro com 212 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
RARO.

Do ÍNDICE:
Obra dividida em 12 capítulos sem títulos.



Um dos escritores de maior referência na literatura colonial (nasceu em Moçambique e viveu de forma intensa em Angola), editou uma vasta bibliografia entre contos, novelas, romances e pesquisa etnográfica, esta edição foi desde logo proibida, face às suas posições críticas em relação ao regime do Estado novo. (Ver 'Livros Proibidos no Regime Fascista', Presidência do Conselho de Ministros – Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, Lisboa, 1981).



Fernando Monteiro de CASTRO SOROMENHO (Chinde, 31 de Janeiro de 1910 – São Paulo, 18 de Junho de 1968):

"Foi um jornalista, ficcionista e etnólogo moçambicano.
É considerado um escritor do movimento neo-realista português e igualmente um romancista da literatura angolana.

Castro Soromenho nasceu em Moçambique e foi com um ano de idade para Angola. Era filho de Artur Ernesto de Castro Soromenho, governador de Lunda, e de Stela Fernançole de Leça Monteiro, natural do Porto e de família cabo-verdiana. Entre 1916 e 1925 estudou em Lisboa o ensino primário e liceal. Regressou a Angola onde trabalhou para a Companhia de diamantes de Angola e, em seguida, entrou para o quadro administrativo de Angola, na categoria de aspirante, servindo nos sertões do leste da colónia. Posteriormente, torna-se redactor do jornal 'Diário de Luanda'. Em 1937, regressa a Lisboa, colaborando em diversos jornais como: semanário 'Humanidade' do jornal 'Diário Popular', 'A Noite', 'Jornal da Tarde', 'O Século', 'Seara Nova', 'O Diabo', 'O Primeiro de Janeiro' e 'Dom Casmurro'. Encontra-se colaboração jornalística da sua autoria numa crónica sobre os "exploradores portugueses em África", nº 12 do semanário 'Mundo Literário' (1946–1948).

Em 1949, casou-se com Mercedes de la Cuesta na Argentina. Em virtude de fazer críticas ao regime salazarista, foi obrigado a ir para o exílio em França em 1960. Mais tarde foi para os Estados Unidos da América onde foi professor na Universidade do Wisconsin e ministrou o curso de literatura portuguesa. Regressou à França em Agosto de 1961 e colaborou com as revistas 'Présence Africane' e 'Révolution'. Em Dezembro de 1965, foi viver para o Brasil onde faleceu. No Brasil, regeu cursos na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São de Paulo e na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara.

Dedicou-se também ao estudo da etnografia angolana, tendo sido um dos fundadores do Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo."

In: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Monteiro_de_Castro_Soromenho


OBRAS:
- 'Lendas negras' (contos) (1936);
- 'Nhari: o drama da gente negra' (contos e novelas) (1938);
- 'Imagens da cidade de S. Paulo de Luanda' (1939);
- 'Noite de angústia' (romance) (1939);
- 'Homens sem caminho' (romance) (1941);
- 'Sertanejos de Angola' (história) (1943);
- 'A aventura e a morte no sertão: Silva Pôrto e a viagem de Angola a Moçambique' (história) (1943);
- 'Rajada e outras histórias' (contos) (1943);
- 'A expedição ao país do oiro branco' (história) (1944);
- 'Mistérios da terra' (etnografia) (1944);
- 'Calenga' (contos) (1945);
- 'A maravilhosa viagem dos exploradores portugueses' (etnografia) (1946);
- 'Terra morta' (romance) (1949);
- 'Samba' (conto) (1956);
- 'A voz da estepe' (conto) (1956);
- 'Viragem' (romance) (1957);
- 'Histórias da terra negra' (contos, novelas e uma narrativa) (1960);
- 'Portrait: Jinga, reine de Ngola et de Matamba' (1962); e
- 'A chaga' (romance) (1970);


Preço: 90,00€; (LOTE COMPLETO)
Vendemos avulso, pelos valores indicados, caso haja disponível.

Colonialismo & Ultramar - 'A POLÍTICA DE NORTON DE MATOS PARA ANGOLA (1912-1915)', de Maria Alexandre Dáskalos - Coimbra 2008 - Raro;





Colonialismo & Ultramar - O papel de um militar africanista e apoiante do regime, visionário para Angola e mais tarde opositor do Estado Novo


'A POLÍTICA DE NORTON DE MATOS PARA ANGOLA (1912-1915)'
De Maria Alexandre Dáskalos
Edição Minerva
Coimbra 2008


Livro com 208 páginas e em muito bom estado de conservação. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.


Da contracapa:
"(...) Um vulto da grandeza de Norton de Matos, na I República. Foi esquecido pelo Estado Novo, por razões que nos parecem óbvias. Porém, o facto de ele ter sido um colonialista provido de uma visão imperial correspondente à sua época levou também a que a evolução marcada pelo pós-25 de Abril e pela independência das colónias de África tenha relegado para um longo silêncio a sua obra em Angola.

(...) O que desejamos provar é que a Angola da modernidade nasceu com o projecto imperial de Norton de Matos neste primeiro período de governação e que muitas das suas ideias inovadoras apenas foram concretizadas mais tarde, quando o Estado Novo, isolado internacionalmente, as recupera. Possivelmente, a lembrança de alguns dos seus planos grandiosos, realizado sou não, não será estranha à transformação do seu nome num mito, ainda hoje recordado na ex-colónia.

(...) Foi nosso objetivo demonstrar que Norton de Matos foi o paradigma do modelo colonizador da República, visionário na questão do trabalho indígena, quando faz a integração da mão-de-obra autóctone na economia monetária e toma medidas contra tradicionais formas repressivas e anticapitalistas do trabalho forçado. Outros aspectos cruciais da sua política desenvolvimentista são, como observámos, a pretensão de transformar os indígenas em proprietários rurais, de introduzir novas culturas de modo a que a agricultura fosse a base do arranque económico de Angola e de defender uma forte intervenção do Estado no sector das Obras Públicas.


Maria Alexandre Dáskalos


(...) A autora do estudo a que honrosa e gostosamente me associo, através destas palavras preliminares, assumiu a sua origem angolana e a sua ligação natal a Huambo (Nova Lisboa), cidade criada pelo General José Mendes Ribeiro Norton de Matos (1867-1955), enquanto Governador-Geral de Angola (1912-1914), como razão poderosa que justifica o seu interesse de cidadã, de jornalista e de investigadora por essa figura de militar, de republicano democrata, de adepto do 'estilo inglês de vida' em toda a sua plenitude e de colonialista com pensamento e acção marcantes, especialmente em Angola.

(...) avanço com o leitor pelo texto adentro, seguindo a escrita empolgada e desenvolta da autora é enaltecendo o seu valioso contributo para as historiografias colonial portuguesa sobre Angola.

Armando Malheiro da Silva"



A AUTORA
MARIA ALEXANDRE GARCIA DE OLIVEIRA DÁSKALOS
"Nasceu na cidade do Huambo (ex-Nova Lisboa, Angola) a 3 de Abril de 1957, tendo aí terminado os seus estudos primários no Colégio Ateniense, e secundários no Liceu General Norton de Matos. Fez o curso de língua francesa no Centro Cultural Francês de Argel.

É Mestre em História Contemporânea com a tese 'A POLÍTICA DE NORTON DE MATOS PARA ANGOLA (1912-1915)', da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Licenciada em História pela FCH-UNL, tem uma pós graduação em História Contemporânea.

Actualmente é investigadora do Departamento de História da Universidade Nova a trabalhar num projecto da História das Telecomunicações. Desde 1996, é comentadora da política angolana no programa 'Debate Africano' da RDP África, moderado por David Borges.

Em Luanda, dirigiu uma empresa de formação informática, 'Datangola' (1988-1991), foi funcionária do Departamento para o Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas (1982-1985), pertenceu à Direcção Nacional de Formação de Quadros do Ministério da Agricultura (1976-1977), e integrou a Comissão Nacional de Dinamização de Cooperativas do Gabinete do Primeiro Ministro da República Popular de Angola (1975-1976).

Com várias obras publicadas das quais destacamos:
- 'O JARDIM DAS DELÍCIAS' - Lisboa 2008;
- 'LÁGRIMAS E LARANJAS' - Lisboa 2001;
- 'DO TEMPO SUSPENSO' - Lisboa 1998;
- 'O JARDIM DAS DELÍCIAS' - Luanda 1991;"




Do ÍNDICE:

PREFÁCIO
Por Armando Malheiro da Silva
Agradecimentos
INTRODUÇÃO

Capítulo I
AS VÉSPERAS DO PRIMEIRO GOVERNO DE NORTON DE MATOS EM LUANDA

Capítulo II
UMA NOVA IDEOLOGIA COLONIAL NO CONSULADO DE NORTON DE MATOS
1. A reforma administrativa
2. Povoamento e Colonatos
a) Colonização de Moçâmedes
b) Colónia Alemã
c) Colónias militares agrícolas
d) Colónia Bóer
e) Colónia Penal Esperança
f) Colónia Penal Rebelo da Silva
g) Colonização de madeirenses no planalto da Huíla
3. Política de trabalho indígena
4. As infra-estruturas
a) Estradas
b) Caminhos-de-ferro
c) Urbanização

Capítulo III
A ECONOMIA DE ANGOLA: SUAS VERTENTES
1. A Agricultura
a) Regime de terras
b) Os baldios - os Palmares do seles
c) Principais produtos vegetais da colónia
d) Fomento algodoeiro
2. A Pesca
3. O Comércio
4. A situação financeira

Capítulo IV
A REPÚBLICA E OS ANGOLENSES
1. As oposições
a) O nativismo
b) A oposição dos colonos
2. A ocupação militar: as campanhas de Norton de Matos

CONCLUSÃO

FONTES E BIBLIOGRAFIA
I - Fontes primárias
1. Arquivos
1.1 Arquivo Histórico Ultramarino
1.2 Arquivo Histórico Militar
2. Documentação de natureza oficial
3. Periódicos
4. Outras fontes impressas
II - Estudos e Obras Gerais



Preço: 50,00;