terça-feira, 30 de abril de 2019

Moçambique & FRELIMO - 'EDUARDO MONDLANE - UM HOMEM A ABATER', de José Manuel Duarte de Jesus - Coimbra 2010 - Muito Raro;






Moçambique & FRELIMO - A mais exaustiva investigação da acção política e assassinato de Eduardo Mondlane na Tanzânia em 1969


'EDUARDO MONDLANE - UM HOMEM A ABATER'
De José Manuel Duarte de Jesus
Edição Almedina
Coimbra 2010


Livro com 512 páginas, ilustrado com inúmeros documentos e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
Muito Raro.



Nota de abertura:
"Este livro é baseado numa longa investigação para uma tese de Doutoramento apresentada na Universidade Nova em 2008 de que foram orientadores os Professores Doutores Adriano Moreira e José Esteves Pereira."


Da contracapa:
"Moçambicano, académico, americano, funcionário da ONU, primeiro presidente da FRELIMO, amigo de Adriano Moreira, casado com uma americana branca, procurou com insistência a independência pela negociação. Portugal recusou. Recorreu à guerra. Ouvido na Administração Kennedy, influenciou a estratégia americana em África. Foi líder considerado na Europa, em Moscovo e em Pequim. Procurou que Moçambique não caísse na dependência das potências da guerra-fria. Veio a pagar com a vida a sua independência.

Encontra-se nesta obra, entre outros inéditos o strategy papear entregue por Mondlane aos americanos em 1961, e outro do mesmo ano que um grupo de portugueses da área do regime fez chegar a Salazar pela mão de Franco Nogueira, sugerindo uma nova política externa e ultramarina."


O AUTOR:
"JOSÉ MANUEL DUARTE DE JESUS nasceu a 3 de Dezembro de 1935. É licenciado em Ciências Históricas e Filosóficas pela Universidade de Lisboa e pós-graduado em Lógica-Matemática, tendo-se doutorado em História das Relações Internacionais em 2009 pela Universidade Nova de Lisboa.

Diplomata desde 1960, exerceu funções em Rabat, Bona, Lille, Praga e CEE entre outros. Foi embaixador em Kinshasa, Brazzaville, Bangui, Bujumbura, Kigali, Pequim, Ulan Battor, Pyong Yang e Ottawa.

Deixou a carreira em 1965, tendo regressado em 1974. Durante esse período esteve ligado ao sector financeiro na RFA, Bélgica e Portugal.

Actualmente jubilado, é Presidente da Comissão de Desclassificação do Ministério dos Negócios Estrangeiros e investigador sénior do Instituto do Oriente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, onde também é docente convidado.Tem várias obras de investigação publicada."



Do ÍNDICE:

Dedicatória
Agradecimentos
PREFACE
Janet Rae Mondlane - Maputo 22 Agosto 2009

Principais abreviaturas e siglas utilizadas
PREÂMBULO
Critérios e metodologia


Capítulo I
O QUADRO GEOPOLÍTICO EM ÁFRICA NOS ANOS 60
I.1 - Contornos geopolíticos no âmbito da guerra-fria
I.2 - Os actores estatais externos: Europa-EUA, URSS, RPC
I.3 - Os actores estatais africanos. As clivagens
- Burguiba - Tunísia
- Leopold Senghor, Houphouet Boigny, Modibo Keita, Kenyatta, Kenneth Kaunda, Banda, e outros
- Julius Nyerere - Tanzânia
- N'Krumah e o Ghana
- Sekou Touré - Guiné-Conakri
- Lumumba - Mobutu e outros
- O Dr. Banda e o Malawi
I.4 - Os actores para-estatais e não estatais
I.5 - Os territórios ou Estados africanos governados por minorias brancas

Capítulo II
A FIGURA DE MONDLANE - A SUA PRIMEIRA ARQUITECTURA ESTRATÉGICA
II.1 - a) Quadro comparativo de alguns dos principais líderes nacionalistas da África de língua portuguesa
- Holden Roberto
- Amílcar Cabral
- Mário de Andrade
- Joaquim Pinto de Andrade
- Agostinho Neto
- Jonas Savimbi
- Marcelino dos Santos
b) Eduardo Mondlane: do académico ao funcionário da ONU
II.2 - Eduardo Mondlane no momento em que Portugal dá os primeiros passos como membro da ONU. Impacto de Mondlane nas delegações portuguesas às AG da ONU. As conversações quadripartidas europeias
II.3 - A longa visita de Mondlane a Moçambique em 1961. A desilusão na origem do progressivo afastamento da solução negociada
II.4 - O 'Non paper' apresentado a Salazar, em Janeiro de 1962, por Franco Nogueira, como prova da existência de uma interface com que Mondlane pensou negociar
II.5 - A nova análise da situação conjuntural política de Mondlane para Moçambique
II.6 - A nossa conversa telefónica com Mondlane e Holden Roberto a partir de Bona, em 1963 e o papel de Ahmed Tlili

Capítulo III
VICISSITUDES E FLEXÃO DO PRIMEIRO PLANO ESTRATÉGICO DE MONDLANE
III.1 - A estratosfera inicial: O 'RELATÓRIO DE MONDLANE' apresentado ao Departamento de Estado, em Maio de 1961, como uma proposta de estratégia conjunta englobando os EUA e Portugal
III.2 - Mondlane, um interlocutor privilegiado da Administração Kennedy
III.3 - a) A passagem de Dean Rusk em Lisboa e as suas entrevistas com Franco Nogueira e Salazar em Junho de 1962
b) Sugestões de Mondlane à Administração americana retomaras na Missão falhada de George Ball a Portugal, em 1963
C) A nova tentativa de aproximação entre Portugal e os EUA, Missão Gilpatrick, já na Administração Johnson, num novo quadro estratégico americano, em 1964
d) A Missão do Príncipe Radzwill a Lisboa
e) Ainda uma tentativa falhada dos americanos no âmbito de um Conselho da NATO, em 1967
III.4 - Mondlane: o unificador da FRELIMO, o incansável diplomata, o interlocutor do Ocidente que conseguia ajuda da URSS e da China. A curiosa via Macau
III.5 - A questão do Instituto Moçambicano de Dar es Salam e da Fundação Ford

Capítulo IV
A POLÍTICA AFRICANA DA ADMINISTRAÇÃO KENNEDY
IV.1 - 'Fact Finding Mission' de um grupos de senadores democratas a 18 países africanos, com Edward Kennedy, em Dezembro de 1960
IV.2 - As figuras chave do Departamento de Estado para a nova política africana e para Eduardo Mondlane: Mennen William e Wayne Fredericks
IV.3 - Documentação do Departamento de Estado, do Pentágono e das agências de intelligence, relativa à nova estratégia africana de Kennedy/De Gaulle
IV.4 - As principais tomadas de posição públicas dos EUA sobre o problema do colonialismo
IV.5 - Duas tendências e a nova inflexão na posição americana da Administração Johnson. A carta de Mondlane a Johnson
IV.6 - A especificidade geoestratégica no caso dos territórios portugueses em África: o triângulo Açores-Berlim-Africa (NATO).

Capítulo V
CONSOLIDAÇÃO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE MONDLANE FACE À NOVA ESTRATÉGIA AMERICANA
V.1 - Depois da morte de Kennedy e da falhada Missão Ball, Mondlane estabelece novo eixo estratégico de apoio, centrado na Escandinávia e englobando a China e o Leste, com o objectivo de desenquadrar a luta iniciada em 1964
a) As visitas aos Estados Unidos
b) A visita à China. Franco Nogueira preparava-se para reconhecer Pequim
c) As visitas ao norte de África (Argel, Tunes e Cairo)
d) As visitas aos países nórdicos (Suécia, Noruega, Dinamarca e Finlândia)
e) A participação na X reunião da Internacional Socialista em Uppsala
f) Visitas à República Federal Alemã
g) Visita à Holanda
h) As visitas à Grã-Bretanha
i) As visitas a Moscovo e aos países de Leste
V.2 - O Acordo Portugal/África do Sul de 1964
a) - A grande entrevista de Mondlane na 'WAR/PEACE REPORT' de Janeiro de 1966 e a denúncia que faz do Acordo Portugal/RSA de 1964
b) - 'A questão do trabalho forçado', o Acordo é o Anexo secreto de 13.10.1964. Os problemas da nossa embaixada em Washington

Capítulo VI
AVOMULAM-SE OS ANTICORPOS EXTERNOS E INTERNOS A EDUARDO MONDLANE - APERTA-SE A MALHA DO CERCO
VI.1 - As acusações de foi alvo - agente da CIA, colaborador da PIDE, amigo de Moscovo, próximo da China. Os assaltos à sede da FRELIMO em Maio de 1968. A questão 'Che'
a) Os assaltos à sede da FRELIMO em Maio de 1968
b) A questão 'Che'
VI.2 - O Congresso da FRELIMO de 1968 - alguns aspectos é uma 'aparente' abertura de Mondlane ao bloco socialista

Capítulo VII
O ASSASSINATO DE EDUARDO MONDLANE
VII.1 - A última e trágica entrevista de Mondlane
VII.2 - A quem aproveitou a morte de Mondlane ou os possíveis suspeitos. Contestualização
a) Portugal ? A PIDE/DGS, outros serviços secretos operando a partir de Lisboa ? O contexto do pós-II Guerra e a guerra-fria. O Eng. Jorge Jardim
b) Quem se mostrou cauteloso e relativamente neutro
c) Quem atribuiu imediatamente o crime a membros da própria FRELIMO
d) Elementos da FRELIMO com a ajuda de Portugal ?
e) A URSS incriminou Portugal desde a primeira hora
f) Também a China não foi poupada à suspeita
g) Uma breve conclusão provisória
VII.3 - O caos causado na FRELIMO pela morte de Mondlane - a cisão. A figura de Uria Simango
VII.4 - A imagem deixada por Eduardo Mondlane e a oposição portuguesa. Janet Mondlane ainda continua algum tempo angariando ajuda externa
- Eduardo Mondlane
- Janet Mondlane

Capítulo VIII
CONCLUSÕES



APÊNDICES
- BREVES NOTAS BIOGRÁFICAS SOBRE AS PERSONALIDADES ENTREVISTADAS
Ahmed Mestiri; - André Roberto Gonçalves Pereira; - António Lopes dos Santos (General); - Hélder Martins; - Jacob Ryten; - Janet Mondlane; - Leonardo Mathias; - Luís Soares de Oliveira; - Najib Bouziri; - Nyeleti Mondlane; - Rashid Deiss; - Regina Sá Machado; - Ridha Tlili; - Roberto Esteves Fernandes; - Slaheddine Abdellah; - Vera (Wang) Franco Nogueira;
- QUADRO CRONOLÓGICO COMPARATIVO
- Índice onomástico de personalidades referidas, com breves notas de carácter biográfico
- BIBLIOGRAFIA E FONTES

ÍNDEX DE NOMES DE PESSOAS

ANEXOS
Anexo I
- 'OUTLOOK ON AMÉRICA - Students Outlook', Junho de 1962
Jornal distribuído pelas embaixadas americanas em toda a África em 1962
Anexo II
- Carta de Eduardo Mondlane ao Prof. Adriano Moreira, de 07.09.1960
Anexo III
- Relatório estratégico apresentado por Mondlane ao Departamento de Estado do EUA, em Maio de 1961
Amexo IV
- 'Non paper' - documento não assinado, entregue por Franco Nogueira a Oliveira Salazar no final de 1961
Anexo V
- Acordo secreto entre Portugal e os EUA de 1951, na área da defesa, sobre o uso de material bélico no Ultramar
Anexo VI
- Carta de Chester Bowles a MCGeorge Bundy sobre a personalidade e objectivos de Mondlane
Anexo VII
- Gravação de conversa telefónica entre JF Kennedy e Robert Kennedy sobre Mondlane
Anexo VIII
- Telegrama do embaixador americano em Dar Es Salam sobre conversa de Mondlane e a sua visita a Moscovo
Anexo IX
- Anexo secreto no Acordo entre Portugal e a África do Sul, de 1964, denunciado por Mondlane nos EUA
Anexo X
- Panfleto difamatório contra Eduardo Mondlane, difundido em vários países africanos antes do seu assassinato e intitulado 'A PROFILE OF DR. EDUARDO MONDLANE'
Anexo XI
- Artigo do jornal cubano 'JUVENTUD REBELDE' contendo graves acusações a Mondlane, de 21 de Maio de 1968, intitulado 'DESMASCARADO EL PRESIDENTE DEL FRELIMO'



Preço: 75,00€;

Portugal & Politica - 'WATERGATE SÁ CARNEIRO' - AAVV de 'O DIÁRIO' - Lisboa 1980 - Raro;




Portugal & Politica - Um livro e uma 'nota' de combate político dos setores afectos aos comunistas contra Sá Carneiro, então líder do PSD e Primeiro-Ministro


'WATERGATE SÁ CARNEIRO (História de uma fraude)' + Nota de 1000 escudos com efígie de Sá Carneiro em caricatura
AAVV de 'O DIÁRIO'
Editorial CAMINHO
Lisboa 1980


Livro com 144 páginas, ilustrado com a reprodução de inúmeras documentos e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
muito Raro.


Da contracapa:
"Antes do 25 de Abril, o cidadão Francisco Lumbralles de Så Carneiro, figura política já conhecida por ter sido um dos deputados 'liberais' escolhidos por Marcelo Caetano para animar a Assembleia Nacional fascista, contraiu com o seu irmão Ricardo uma dívida de alguns milhares de contos junto do Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa. Objectivo 'social' do dinheiro assim obtido: entrar no círculo desenfreado da especulação bolsista que então se vivia.

Entretanto, veio o 25 de Abril e a Bolsa foi fechada. A dívida ficou. Os irmãos Sá Carneiro esperaram, de acordo e conivência com os seus amigos do BESCL, que a intentona reaccionária do 28 de Setembro triunfasse. Perderam essa cartada, mas não pagaram a dívida.

Veio o 11 de Março e o BESCL foi nacionalizado. Estava comprometido a fundo com o financiamento de várias organizações contra-revolucionárias. A partir de então, Francisco Lumbralles de Sá Carneiro, que fizera parte do I Governo Provisório, foi mais longe: procurou por vários meios fraudulentos fugir ao pagamento de uma dívida à Banca entretanto nacionalizada e que, contando os juros, começou a subir. Actualmente, cifra-se, pelas contas de 'O DIÁRIO', em 33,600 contos.

Este livro condensa, documentalmente, a evolução de um escândalo político que já ultrapassou as fronteiras do nosso país e do nosso continente. Sá Carneiro é Primeiro-Ministro, os seus actos não podem ser dissociados do lugar que ocupa. Ao denunciar nas suas colunas aquilo a que justamente chamou o Watergate português, 'O DIÁRIO' cumpriu e continua a cumprir um acto de higiene política voltado para a defesa da inteligência e dignidade do Povo português, das instituições democráticas, do Portugal de Abril."




Do ÍNDICE:

INTRODUÇÃO
A 'distribuição' da riqueza
O silêncio de Sá Carneiro
Súbita explosão de dignidade
A segunda queixa
Quem tem medo da verdade?
História abreviada de uma longa dívida

- Primeiro requerimento de 'O DIÁRIO' ao 8. Juízo
DOCUMENTOS
- Requerimento de 'O DIÁRIO' ao 10. Juízo
DOCUMENTOS
- Seguindo requerimento de 'O DIÁRIO' ao 8. Juízo
- Quem não deve não teme. Trabalhadores do BESCL exigem esclarecimentos com provas de verdade



Preço: 100,00€; (Lote dos 2 artigos)

Angola & Descolonização - 'MASSACRES EM LUANDA' - AAVV e MDA - Lisboa 1974 - MUITO RARO;



Angola & Descolonização - Movimentos de libertação em confronto em Luanda em 1974


'MASSACRES EM LUANDA'
AAVV
Edição África Editora
Lisboa 1978


Livro com 98 páginas, ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.


Relato de alguns dos massacres que ocorreram na cidade de Luanda em 1974 e 1975 com as autoridades portuguesas ainda como responsáveis políticos, administrativos e militares.



Do ÍNDICE:

INTRODUÇÃO - AO LEITOR
Os Editores

RELATÓRIO DO
MOVIMENTO DEMOCRÁTICO DE ANGOLA
1. - Primórdios
2. - Antecedentes
3. - Governo de retrocesso
4. - O dia 11 de Julho
5. - Dias sangrentos
6. - Rescaldo
7. - Autópsia

TERRORISMO NO MUSSEQUE CAZENGA
EM SETEMBRO DE 1972



Preço: €27,50.

África & Descolonização - 'PORTUGAL E O NEOCOLONIALISMO', de Eduardo de Sousa Ferreira - Lisboa 1975 - RARO;



África & Descolonização - Uma análise das forças coloniais e neocoloniais da economia nas ex-colónias portuguesas de África


'PORTUGAL E O NEOCOLONIALISMO'
De Eduardo de Sousa Ferreira
Edição Sá da Costa
Lisboa 1975


Livro com 38 páginas e em muito bom estado de conservação. Como novo. Excelente.
De muito difícil localização.
RARO.



Da contracapa:
"EDUARDO SOUSA FERREIRA
Doutorado em Economia pela Universidade de Heidelberg, é autor de vários trabalhos sobre os problemas coloniais que encontram larga divulgação na Europa e na América.

O autor é membro fundador do Comité para a África Austral, de Heidelberg, e do Centro de Informação para a África Austral (ISSA), de Bona, do qual é Presidente. É membro do grupo de trabalho 'Países em Desenvolvimento' da Associação dos Cientistas Alemães. Actualmente é professor auxiliar do ISCTE, onde rege a cadeira de Economia do Desenvolvimento."



Do ÍNDICE:

1
DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO PORTUGUÊS

2
RENOVAÇÃO DO PACTO COLONIAL

3
A ACTIVIDADE DO CAPITAL PORTUGUÊS NAS COLÓNIAS

4
DE COLONIALISMO PARA NEOCOLONIALISMO

5
NEOCOLONIALISMO E FORÇAS REVOLUCIONÁRIAS

Notas




Preço: 15,00€;

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Angola e Guiné & Cubanos em África - 'MISSÕES EM CONFLITO - Havana, Washington e África, 1959-1976', de Piero Gleijeses - Lisboa 2004 - MUITO RARO;




Angola e Guiné & Cubanos em África - Uma obra exaustiva sobre a temática é imprescindível para o conhecimento do papel político e militar cubano em África e nestas antigas colónias portuguesas


'MISSÕES EM CONFLITO - Havana, Washington e África, 1959-1976'
De Piero Gleijeses
Tradução de Ana Saldanha
Edição CAMINHO
Lisboa 2004


Livro com 712 páginas, ilustrado com fotografias e mapas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


A obra de Piero Gleijeses, editada em diversos países, é sem margem para dúvidas uma uma das mais completas sobre a temática, bem exemplificada pelos inúmeros das páginas, das fontes directas e da documentação recorrida, embora se consiga perceber que a linha prevalecente da sua investigação privilegia as fontes cubanas e a heroicidade das suas intervenções, relegando os aspectos menos positivos ou negativos dessa mesma intervenção em África. De referir ainda que o autor insere 25 páginas de notas sobre os capítulos e 40 de bibliografia utilizada na investigação.



Da contracapa:
" 'MISSÕES EM CONFLITO' é um relato vibrante da política e da acção de Cuba em África entre 1959 e 1976 e, paralelamente, do seu choque cada vez mais aberto com a política dos Estados Unidos em relação ao continente africano.

Ao longo do livro, o leitor é conduzido dos primeiros passos de Cuba em África, ajudando os combatentes argelinos na sua luta de libertação nacional contra a França em 1961, até ao envio de 30,000 militares para Angola, num contributo decisivo para defender a independência angolana e travar o passo à invasão da África do Sul, em 1975-1976. São também abordados episódios menos conhecidos, como o confronto secreto entre Havana e Washington no Zaire em 1964-1965 e a participação - em moldes aqui revelador pela primeira vez - na luta de libertação na Guiné-Bissau.

A análise de Piero Gleijeses é clara e rigorosa; o trabalho de arquivo em que se baseia não tem precedentes. O autor foi o primeiro académico a ter acesso a Arquivos cubanos anteriormente fechados, mas trabalhou também extensamente em Arquivos dos Estados Unidos, Bélgica, Grã-Bretanha, RFA e RDA. Entrevistou muitos dos protagonistas, nos Estados Unidos, em Cuba e em África.

O resultado é um livro notável: equilibrado, bem documentado e com uma visão ampla que apresenta a uma luz nova a política externa dos EUA e as acções encobertas da CIA e, por outro lado, a evolução da política de Cuba relativamente ao continente africano (esclarecendo de passagem algumas ideias feitas sobre a influência da URSS na acção cubana).

Esta edição inclui ainda o prefácio à edição cubana do livro, da autoria de Jorge Risquet, que prolonga o relato da presença cubana em África até Maio de 1991, data do regresso definitivo das tropas cubanas.

PIERO GLEIJESES é professor de Política Externa Americana na Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins. 'MISSÕES EM CONFLITO' recebeu o prestigioso Ferrel Prize da Society of Historians of American Foreign Relations de 2008."



Do ÍNDICE:

Agradecimentos
Nota sobre as citações
Abreviaturas
PRÓLOGO à edição cubana
- Jorge Risquet Valdés
PRÓLOGO à edição americana
- A resposta dos EUA
- O papel de Cuba
- Os Aquivos cubanos
- Arquivos americanos e europeus


Capítulo 1.
A CUBA DE FIDEL CASTRO 1959-1964
- O fardo do passado
- O corte
- Mangusto
- O minuete cubano-soviético
- A ofensiva de guerrilha de Castro, 1961-1964
- À procura de um modismo vivendo
- A Conferência de Havana de 1964

Capítulo 2.
A PRIMEIRA INCURSÃO DE CUBA EM ÁFRICA: ARGÉLIA
- Primeiros encontros
- A missão médica
- A guerra do deserto
- O GEI
- Operações secretas
- A queda de Ben Bella

Capítulo 3.
FUJAM ! OS GIGANTES BRANCOS VÊM AÍ !
- A revolta dos Simbas
- A resposta de Lyndon Johnson
- Os gigantes brancos
- A resposta de Moscovo

Capítulo 4.
CASTRO VOLTA-SE PARA A ÁFRICA CENTRAL
- A viagem de CHE a África
- Brazzaville
- Dar es Salam
- A primeira coluna
- Tomadas de decisão em Havana: protagonistas
- Tomadas de decisão em Havana: motivações
- A caminho de África

Capítulo 5.
CHE NO ZAIRE
- A escolha de CHE
- Regresso a Dar es Salam
- Fizi-Baraka
- À espera de Kabila
- Bendera
- Kabila
- Pequenos triunfos
- Autoconfiança excessiva

Capítulo 6.
UMA OPERAÇÃO SECRETA BEM-SUCEDIDA
- Sobre Tshombe e os mercenários
- Uma imprensa patriótica
- Os afro-americanos e o Zaire
- Vozes africanas
- A patrulha naval da CIA
- A única falha da CIA

Capítulo 7.
VITÓRIA AMERICANA
- A história de Benigno
- Reflexões sobre a derrota

Capítulo 8.
CUBANOS NO CONGO
- A segunda coluna
- Uma revolução verbal
- Os médicos cubanos
- Dez dias que abalaram Brazzaville
- Os cubanos preparam-se para partir
- O MPLA
- CABINDA
- As colunas do MPLA
- Um olhar retrospectivo

Capítulo 9.
GUERRILHEIROS NA GUINÉ-BISSAU
- O PAIGC
- Primeiros contactos com Cuba
- A Missão Militar Cubana
- Portugal contra-ataca
- Stokely Carmichael e o PAIGC
- Três administrações dos EUA e o PAIGC
- Assistência militar cubana
- Os médicos cubanos
- Os voluntários
- Castro visita Conacri
- Portugal tropeça
- Reflexões sobre a vitória

Capítulo 10.
A CUBA DE FIDEL CASTRO 1965-1975
- Achas para a fogueira no hemisfério ocidental
- Tensões com Moscovo
- Retirada na América Latina
- A ofensiva revolucionária interna
- Uma Cuba mais madura
- O ramo de Oliveira de Kissinger
- Um cliente soviético?
- Cuba e África

Capítulo 11.
A QUEDA DO IMPÉRIO PORTUGUÊS
- Angola
- Os rebeldes
- Os amigos do MPLA

Capítulo 12.
A TEMPESTADE ANUNCIADA: ANGOLA, JANEIRO-OUTUBRO DE 1975
- A languidez de Havana
- O início da guerra civil
- Cuba entra em cena
- A guerra alastra
- A Missão Militar Cubana
- Cabinda
- Chegam os instrutores
- A guerra intensifica-se

Capítulo 13.
OS AMIGOS DA ÁFRICA DO SUL
- O desanuviamento sul-africano
- Tentações angolanas
- A resposta dos EUA
- Primeiros passos
- O grupo de trabalho Davis
- A resposta de Mobutu
- A decisão de Kissinger
- Amigos
- Pretória e Washington encontram-se em Angola

Capítulo 14.
PRETÓRIA ENCONTRA-SE COM HAVANA
- Dedicação à causa dos sul-americanos
- Operação CARLOTA
- A batalha de Quifangondo
- Independência
- A batalha de Cabinda
- A frente central
- A batalha do Ebo
- A SADF na frente central
- Desinformação
- A coluna ZULU e a imprensa

Capítulo 15.
A VITÓRIA DE CUBA
- Kissinger responde
- A ofensiva no norte
- A África do Sul bate em retirada

Capítulo 16.
REPERCUSSÕES
- Apoio externo: armas
- Auxílio externo: instrutores e tropas
- Especulações eleitorais
- Motivações dos EUA
- A imprensa dos EUA e o IAFEATURE
- As reacções cubano-soviéticas e Angola

Capítulo 17.
OLHAR RETROSPECTIVO
- As relações cubano-soviéticas nos anos sessenta
- Cuba em África: antes de Angola
- Considerações sobre a política dos EUA
- IAFEATURE e o desanuviamento
- As repercussões da derrota e da vitória
- O silêncio

Apêndice
Notas
Bibliografia



Preço: 77,50€;

Angola & Literatura - 'A PORTA FECHADA', de Orlando Albuquerque - Braga 2016 - Raro;




Angola & Literatura - Os conflitos sociais, raciais e políticos nas ex-colónias africanas administradas por Portugal nos meados do século passado


'A PORTA FECHADA - Romance de um martírio africano'
De Orlando Albuquerque
Edição CALÍGRAFO
Braga 2016


Livro 168 páginas e em muito bom estado de conservação. Como novo. Excelente.
De muito difícil localização.
Raro.


Da contracapa:
"Cá fora a multidão, em risos e gritos, dava largas à sua alegria.
Os tambores soavam fortes e sacudidos. Corpos bamboleavam-se ao ritmo da dança. Homens e mulheres dançavam e batiam palmas. Por todo o lado começava a erguer-se uma poeira vermelha, levantado pelos pés dos bailarinos.
- Hoje é dia de festa, hein?!... - disse padre Gonçalves.
- Sim... É dia de festa... - respondeu o soba.
Padre Gonçalves, em voz baixa, de modo a que só ele o entendesse, dirigiu-se a padre João:
- Calma, homem! Que o pior já passou... Trocámos-lhe as voltas...

Os tambores continuavam a soar e o seu infernal matraquear prolongar-se-ia pela noite adentro. Pela noite que havia de descer sobre a anhara como sempre. Homens e mulheres, esquecidos dos seus problemas, comemoravam a chegada de padre João. O soba, vencido, deixa-se levar pelo rumo que as coisas tinham tomado. "



Da badana:
ORLANDO ALBUQUERQUE
"Nasceu em Lourenço Marques (hoje Maputo), em 1925, e licenciou-se em Medicina pela universidade de Coimbra.
Colaborou em jornais de Portugal, Angola e Moçambique. Em Coimbra colaborou na 'Vértice' e fundou a revista 'Momento', com Lúcio Lara, e criou o auto-denominado 'Grupo de Moçambicanos em Coimbra', que pugnou pela afirmação da literatura moçambicana.

Com Joaquim Namorado dirigiu a página literária da 'Gazeta de Coimbra', foi um dos fundadores do MUD Juvenil, e exerceu cargos directivos na Associação Académica e no jornal 'Via Latina'. Foi membro da Casa dos Estudantes do Império (CEI), e tornou-se num dos primeiros divulgadores das literaturas negras e africanas, nomeadamente de Cabo Verde, Angola e Moçambique. Com Vítor Evaristo organizou a primeira antologia de poetas africanos de expressão portuguesa, publicada em 1947, 'POETAS DE MOÇAMBIQUE'.

A partir de 1959, exerceu a profissão na Ganda, Lobito e Benguela (Angola), onde escreveu grande parte da sua obra, que é predominantemente de temática angolana. Desempenhou importante papel no desenvolvimento da literatura angolana e, na radio de Angola, foi produtor radiofónico de programas literários, de teatro e debates sobre grandes problemas sociais angolanos, o que lhe trouxe então vários problemas com as autoridades coloniais."


BIBLIOGRAFIA RESUMIDA DO AUTOR:

POESIA
- 'BATUQUE NEGRO' - Coimbra 1947;
- 'Sobre o vento noroeste' - Edição IMBONDEIRO - Angola 1964;
- 'OLÁ NEGRO!' - Braga 1996;
- 'Percurso de Vénus' - Braga 1996;
- 'O Navegador solitário' - Braga 1996;
- 'Estrela perdida e outros poemas' - Coimbra 1950;
- 'Cidade do Índico, aos 4 ventos' - Edição AGU - Lisboa 1963;
- 'Poesia inútil' - Edição PAX - Braga 1972;
- 'No silêncio da noite' - Braga 1997;
- 'Quinze poemas para os amigos é um Epílogo' - Braga 1997;
- 'Silêncio intermédio' - Braga 1997;
- 'Barco de papel' - Braga 1998;

FICÇÃO
- 'O Homem que tinha a chuva' - Edição AGU - Angola 1968;
- 'De manhã cai o cacimbo' - Edição Portucalense - Braga 1995;
- 'São Nicolau' - Braga 1995;
- 'A História de um Homem que se chamava Adalberto' - Braga 1995;
- 'A porta fechada' - Braga 1996;
- 'A última estrela' - Braga 1995;
- 'Cariango' - Edição CAPRICÓRNIO - Angola 1976;
- 'Crônica dos dias da vergonha' - Braga 1995;
- 'Histórias do diabo' - Edição Capricórnio-Braga 1979;
- 'História do menino que não sabe se o Natal tinha acabado' - Braga 1996;
- 'Saudades de Mandavir' - Braga 1998;
- 'Caminhos cruzados' - Braga 1998;
- 'O Homem que procurava a verdade' - Braga 1998;
- 'Os imbondeiros também morrem' - Braga 1997;
- 'Eu guenta, senhor doutor, eu guenta...' - Portugal 1978;
- 'Histórias vagabundas' - Braga 1998;
- 'Histórias de Natal' - Braga 1997;
- 'Histórias de Sá-Mucondo' - Braga 1996;
- 'Maxaquene' - Braga 1996;
- 'À sombra de Hipócrates' - Braga 1995;

TEATRO
- 'Herodes e o Menino' - Edição CAPRICÓRNIO - Lobito 1974;
- 'Ovibanda e outra' - Edição CAPRICÓRNIO - Angola 1966;
- 'A verdadeira história de Noé e a sua arca' - Braga 1996;
- 'Auto de Natal' - Edição CAPRICÓRNIO - Lobito, Angola 1972;
- 'O grande capitão' - Braga 1996;
- 'Teatro de Natal para crianças' - Braga 1998;
- 'A mulher do meu filho' - Braga 2013;

CRÍTICA
- 'A Casa do Tempo' - Edição IMBONDEIRO - Angola 1964;
- 'Quando a chuva molha' - Casa Ideal, Ganda - Angola 1964;
- 'Ao longe o cruzeiro do Sul' - Braga 1995;
- 'As borboletas também voam' - Braga 1996;
- 'A Norte também há estrelas' - Braga 1996;


ENSAIO
- 'Feiticeiro, Bruxos, Curandeiros: Realidades e Ficções' - Portugal 1996;
- 'ALDA LARA, a mulher e a poetisa' - Edição IMBONDEIRO, Angola 1967;
- 'HISTÓRIA DA LITERATURA EM MOÇAMBIQUE', com José Ferraz Motta - Braga 1998;
- 'FEITIÇO, sua génese e Explicação' - Portugal 1997;



Do ÍNDICE:

Bibliografia resumida do autor
Dedicatória

- VIAGEM
- MISSÃO
- FINAL
- POSFÁCIO
Considerações preliminares
Cristão, médico, bom conhecedor de África
O universo das personagens
Uma aproximação à tragédia clássica
1. A inocência do herói
2. Indícios trágicos
3. Não hybris mas virtude cristã
4. A catarse aristotelica
O código ideológico de A PORTA FECHADA
UMA NOTA PESSOAL - Agostinho Domingues


Preço: 27,50€;

terça-feira, 23 de abril de 2019

Ultramar - 'KANOIK - Mitos e Lendas de Timor', de Eduardo dos Santos (Lisboa 1967) - MUITO RARO




Timor & Tradições - Os mitos e lendas numa obra muito bem escrita e excelentemente ilustrada


'KANOIK - Mitos e Lendas de Timor'
De Eduardo dos Santos
Ilustrações de José Antunes
Serviços de Publicações da Mocidade Portuguesa
Lisboa 1967


Livro com 164 páginas, com excelentes ilustrações alusivas às lendas e mitos.
Em muito bom estado de conservação.
MUITO RARO.


Da autoria de um dos melhores estudiosos dos assuntos do Ultramar português, com uma vasta e importante obra editada, com livros relacionados com todas as colónias portuguesas.


Da contra-capa:
"KANOIK contém alguns
mitos e lendas de timor,
seleccionados de entre os
de mais interesse histórico.
É este, assim, um contributo
para o conhecimento dos
povos timorenses, por via
de manifestações culturais
essencialmente virgens
da aculturação."



Preço: 100,00€;

Angola & Ultramar - 'DESTINO DA GREI (Crónicas angolanas)', de Gastão de Sousa Dias - Lisboa 1940 - RARO;



Angola & Ultramar - Justarias e costumes angolanos no período colonial


'DESTINO DA GREI (Crónicas angolanas)'
De Gastão de Sousa Dias
Edições COSMOS
Lisboa 1940


Livro com 210 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito difícil localização.
MUITO RARO.


Da dedicatória:
"Aos velhos colonos madeirenses do Planalto da Huila."



Do ÍNDICE:

Dedicatória
Prólogo

I - A acção da mulher portuguesa em África
II - As estradas de Angola
III - Maternidade
IV - Casas coloniais
V - Carta a um estudante do 'Cruzeiro de Férias'
VI - Uma heroína
VII - Natal africano
VIII - Humanidade - Hospitalidade portuguesa
IX - Estação de convalescença
X - Confiança
XI - Portugueses de oiro
XII - Balada da neve
XIII - Unidade espiritual
XIV - De regresso a Angola - Notas de viagem



Preço: 37,50€;

Ultramar - 'FOLCLORE DO ARQUIPÉLAGO DE CABO VERDE', de Elsie Clews Parsons - Lisboa 1968 - MUITO RARO;



Ultramar - O folclore caboverdeano numa magnífica obra da autoria de uma das maiores especialistas da temática


'FOLCLORE DO ARQUIPÉLAGO DE CABO VERDE'
De Elsie Clews Parsons
Edição da Agência-Geral do Ultramar
Lisboa 1968


Livro com 788 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.



Do ÍNDICE:

INTRODUÇÃO
De Fernando de Castro Pires de Lima
BIBLIOGRAFIA
CONTOS TRADICIONAIS
PROVÉRBIOS E DITADOS
ADVINHAS


Preço: 75,00€;

Tomar & Portugal - 'COISAS SIMPLES DA TERRA TOMARENSE', de Fernando Ferreira - Tomar 1976 - MUITO RARO;




Tomar & Etnografia - Uma monografia do Rio Nabão e as suas margens no concelho e a defesa da fauna, flora, pesca e indústria ancestral, da autoria de um dos maiores defensores do património local


'COISAS SIMPLES DA TERRA TOMARENSE - O Rio, Os Açudes e as Rodas
(Algumas achegas etnográficas)'
De Fernando Ferreira
Desenhos de Luís Manuel Bonet
Fotografias de Silva Magalhães, Brak-Lamy, António Torres, Carlos Alves é autor
Edição da Junta Distrital de Santarém
Tomar 1976


Livro com 148 páginas, muito ilustrado e em bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Do ÍNDICE:

Dedicatória
Introdução - PREFÁCIO
TOMAR DE ONTEM E DE SEMPRE

AO CORRER DO RIO ...

CHEIAS NO NABÃO

OS AÇUDES E AS RODAS

OS AÇUDES
- Condicionalismos
- Constituição dos Açudes
- Materiais de construção
- Periocidade
- Regularização do nível de água nas albufeiras
- Açudeiros

AS RODAS
- Introdução ao estudo das rodas
NOMENCLATURA
DA CONSTRUÇÃO DAS RODAS
- Dados sobre algumas rodas
- Construtores de rodas

FAINAS DO NABÃO
- Introito
- Um homem do rio
PESCA PROFISSIONAL
- Os barcos de pesca
- Artes de pesca
- Espécies principais
A TIRAGEM DA AREIA
- As barcas da areia
- As rodas
- As cirandas
O DESASSOREAMENTO
AS LAVADEIRAS
A PESCA DESPORTIVA

BREVES NOTAS SOBRE ALGUMAS DAS VELHAS FÁBRICAS DO VALE DO NABÃO
- Fábrica de Papel de Porto de Cavaleiros
- Fábrica do Sobreirinho
- Fábrica de Papel do Prado
- Fábrica de Fiação de Algodão
- Fábrica de Cobertores da Covilhã
- Os Lagares e os Moinhos D'El Rei
- Fábrica de Moagem 'A NABANTINA'
- Fábrica de Moagem 'PORTUGÁLIA'
- Fábrica da Sola
- Ferrarias de S. Lourenço
- Fabriqueta de Papel
- Fábrica de Papel de Marianaia
- Fábrica de Papel da Matrena
- Fábrica de Vidro

ÚLTIMA PÁGINA

ADENDA:
I - I CURSO DE ESTUDOS TOMARENSES (João dos Santos Simões)
- APRESENTAÇÃO
- 1.a Lição
HISTORIOGRAFIA; Pré-História de Tomar
- 2.a Lição
DESENVOLVIMENTO URBANO DE TOMAR - A questão de Sellium e Nabância - Testemunhos documentais e arqueológicos de povoados romanos e godos.
- 3.a Lição
A ORDEM DO TEMPLO - Extinção dos Templários e fundação da Ordem de Cristo - A Obra do Infante D. Henrique

II - POSTURAS DE 1857


Preço: 47,50€;

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Angola & Mocambique - 'A FLORESTA AFRICANA E OS FACTORES BIÓTICOS', de M. Gomes Guerreiro - Luanda 1966 - MUITO RARO;




Moçambique & Ultramar - Estudos e ensaios sobre a floresta autóctone nesta antiga colónia portuguesa


'A FLORESTA AFRICANA E OS FACTORES BIÓTICOS
(Primeiras observações de um ensaio em Moçambique)'
De M. Gomes Guerreiro
Ilustração da Capa de Neves e Sousa
Edição do Instituto de Investigação Científica de Angola
Luanda 1966


Livro com 176 páginas, muito ilustrado e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO RARO.



Do ÍNDICE:

PREFÁCIO
Nova Lisboa, Novembro de 1966
INTRODUÇÃO


A EXPLORAÇÃO AGRO-FLORESTAL NO CONTINENTE AFRICANO.
A CULTURA ITINERANTE E A FLORESTA

O COBERTO VEGETAL EM ÁFRICA E A SUA DEPENDÊNCIA DOS FACTORES BIÓTICOS
- A agricultura itinerante e a sua influência no coberto vegetal
- O fogo desgovernado e o coberto vegetal em África
- O fogo governado como técnica cultural
- A influência da queimada na temperatura, na fauna e nos nutrientes do solo
- As queimada se o ciclo hidrológico
- O fogo e a estrutura das Formações vegetais
- Efeito das grandes queimadas nas espécies vegetais

A FLORESTA ABERTA. DEFINIÇÃO, ÁREA E COMPOSIÇÃO

O AMBIENTE GEOGRÁFICO DE MOÇAMBIQUE
- O clima é o relevo
- A vegetação, o solo e a sua utilização

ACÇÃO DOS FACTORES BIÓTICOS NA EXISTÊNCIA E REGENERAÇÃO DA FLORESTA
ENSAIO EXPERIMENTAL EM MUCHEVE
- Principais ensaios anteriores realizado sem África
- Estudos das relações entre Factores Bióticos e o ambiente físico da Reserva Florestal de Mucheve
-- Localização do ensaio
-- Clima de Mucheve
-- Vegetação e solo da Reserva Florestal
- Composição florestal da Reserva de Mucheve
- Esquema do ensaio, observações e alguns resultados obtidos
- Observações dendrométricas mais características
-- Altura das árvores
-- Diâmetro e área basal do arvoredo
-- Volume
-- Regeneração Natural
--- A regeneração natural durante os quatro anos
--- Regeneração natural por tratamentos
--- Regeneração natural por espécies


SUMÁRIO E CONCLUSÕES
SUMMARY
BIBLIOGRAFIA
ANEXOS
I - Peincipais tipos fisionómicos de formações florestais de Moçambique.
Definições baseadas nas recomendações da reunião internacional de Yangambi (1956)
II - RESERVA FLORESTAL DE MUCHEVE
Lista das espécies lenhosas existentes nos talhões de ensaio
III - RESERVA FLORESTAL DE MUCHEVE
Lista das espécies lenhosas existentes nos talhões de ensaio
IV - RESERVA FLORESTAL DE MUCHEVE
Descrição geral dos solos - série Mucheve
V - RESUMO, POR TRATAMENTO E PARA AS 38 ESPÉCIES PRINCIPAIS, DAS OBSERVAÇÕES DENDROMÉTRICAS MÉDIAS DE MUCHEVE DURANTE QUATRO ANOS
VI - QUANTIDADE DE REGENERAÇÃO NATURAL POR ESPÉCIES E TRATAMENTOS NA PARCELA DE ENSAIO



Preço: 70,00€;