quarta-feira, 19 de julho de 2017

Cabo Verde & Literatura - 'TERRA TRAZIDA', de Manuel Ferreira (1.ª Edição) - Lisboa 1972 - MUITO RARO



Cabo Verde & Literatura - A melhor e mais autêntica cultura e sentimento social caboverdiano pela escrita deste consagrado autor


'TERRA TRAZIDA' - 1.ª Edição
De Manuel Ferreira
Plátano Editora
Lisboa 1972


Livro com 224 páginas e em muito bom estado de conservação.
De muito, muito difícil localização.
MUITO, MUITO RARO.


Da contra-capa:
"Está de facto passada a fase patética e retórica das literaturas africanas: Calliban apropriou-se da língua de Prospero e tentou falar mais claro do que este. Como diz Janheinz Jahn, 'a actual geração (...) tem oportunidades de beber numa multidão de tradições', mas deve fazê-lo. como fez Manuel Ferreira, com o grande sopro criador dos verdadeiros eleitos."
Fernando Assis Pacheco


Do ÍNDICE:
- Puchinho
- Bélinha foi ao baile pela primeira vez
- Dia domingo em casa de amigos
- O cargueiro tornou ao Porto
- Antonieta
- Filipe, cabeça de peixe
- D. Ester, chá das cinco
- Amarito
- Uma flor entre os cardos
- Nhô Vicente, conte a história toda
- Os Mandongues de Pujinho Sema
- A visita de nha Joana
- Quando as chuvas não voltam mais
- Nha dos Ramos
- A raiva de nhô João



MANUEL FERREIRA:
Nasceu em Gândara dos Olivais – Leiria em 1917. Concluiu o curso de Farmácia e o curso de Ciências Sociais e Política Ultramarina, tendo frequentado ainda a Faculdade de Letras de Lisboa.
De 1941 a 1947 destacado como expedicionário em Cabo Verde, ali casa e lhe nasce o filho mais velho. Nestes seis anos convive com o grupo da revista Claridade e exerce decisiva influência no aparecimento do grupo Certeza.
Entretanto permanece seis anos na Índia e dois anos em Angola.
Colaboração dispersa pela Revista Vértice, Seara Nova, 'Cultura e Arte' d’'O Comércio do Porto', Página Literária do 'Diário de Lisboa, Revista de Portugal, 'Ocidente', 'Estudos Ultramarinos', 'Colóquio/Letras', 'Província de Angola', e outros.
Foram-lhe atribuídos os prémios Fernando Mendes Pinto para 'Morabeza', Ricardo Malheiros para 'Hora di Bai', Imprensa Cultural para 'A aventura crioula'.
Esta longa experiência ultramarina vai ser decisiva na sua carreira de escritor e explicar a predominância da motivação africana na sua actividade literário, traduzida não só na ficção como no ensino, na literatura infantil, e em artigos, colóquios, etc.

Fonte:
http://livroditera.blogspot.pt/2006/11/hora-di-bai.html


Preço: 0,00€;(Indisponível)

Sem comentários:

Enviar um comentário

APÓS A SUA MENSAGEM INDIQUE O SEU E-MAIL E CONTACTO TELEFÓNICO
After your message, please leave your e-mail address or other contact.